Advogado pede indiciamento de ex-deputado por acidente no Paraná

O advogado dos pais de Gilmar Rafael Yared, que morreu depois de ter seu carro atingido pelo veículo do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho no mês passado em Curitiba, Elias Mattar Assad, protocolou na segunda-feira, na Delegacia de Serviços de Trânsito (Dedetran), em Curitiba, um requerimento pedindo o indiciamento do ex-deputado. Caso ele não se apresente espontaneamente para depor em breve, pode ter a prisão preventiva decretada. O medo de Assad é que Carli Filho se ausente do País ou atrapalhe as investigações.

Redação |

O ex-deputado deixou o hospital Albert Einstein, em São Paulo, no último sábado, onde estava internado desde o dia 10 de maio. Carli Filho passou por uma cirurgia para corrigir fraturas faciais.

Divulgação
Carli Filho segue internado

O delegado da Dedetran, Armando Braga, que assumiu as investigações depois que o ex-deputado renunciou ao seu mandato e por consequência perdeu o foro privilegiado, afirmou que já entrou em contato com Carli Filho.

Ele espera o depoimento do ex-deputado para então fazer a reconstituição do acidente e pedir o indiciamento dele por crime de trânsito. O delegado afirmou que o depoimento deve acontecer no menor tempo possível, dependendo das condições de saúde de Carli Filho.

O acidente

Mesmo com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa por excesso de multas, o deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho (PSB) se envolveu num acidente que deixou dois mortos na madrugada do dia 7 de maio, em Curitiba, no Paraná. 

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado informou que o acidente aconteceu em uma esquina, quando o veículo dirigido pelo deputado se chocou contra um carro. Os dois ocupantes do automóvel atingido pelo veículo do parlamentar, Gilmar Rafael Souza Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20 anos, morreram no local.

Laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba aponta que o deputado estadual estava com 7,8 decigramas de álcool por litro de sangue, duas horas após ter se envolvido no acidente. De acordo com a legislação, 6 decigramas de álcool já caracterizam crime.

    Leia tudo sobre: carli filhocarliffilho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG