O Brasil começou a montar em 2008 o seu Cadastro Nacional de Adoção. É um instrumento que pretende dar racionalidade e ordem a um drama social dos mais complexos. Por um lado, a existência de milhares de crianças vivendo em abrigos, sem pais, à espera de pessoas dispostas a adotá-las. Por outro, milhares de pessoas dispostas a adotar crianças, mas nem sempre capazes de encontrar exatamente o que estão procurando.

No esforço de destrinchar os meandros desse mundo, Mauricio Stycer, repórter especial do iG, apresentou ao longo da semana uma série de textos sobre adoção.

Na primeira reportagem , descreve-se a rotina na Vara de Infância de Santo Amaro, a maior de São Paulo, onde o juiz Iasin Issa Ahmed concede uma adoção por dia, em média, e lida problemas graves, como adoções ilegais, abandono e devolução de crianças já adotadas.  

Em seguida, a série tratou do problema da adoção de crianças a estrangeiros . Hoje, com controles cada vez maiores, no sentido de evitar o tráfico internacional de crianças, a adoção é ainda mais lenta. Por outro lado, os estrangeiros aceitam com mais facilidade adotar crianças rejeitadas por brasileiros: grupos de irmãos, maiores de 7 anos, às vezes com problemas de saúde, negros ou mulatos.

Alisson Louback
O ator Marcelo Antony, pai de um casal de crianças adotadas
O ator Marcelo Antony, pai de um
casal de crianças adotadas
A trajetória da apresentadora Astrid Fontenelle , que adotou este ano um bebê, foi o tema da terceira reportagem da série, na qual se relata como ela, depois de tentar a adoção em São Paulo, optou por ir a Salvador, onde foi mais bem-sucedida. 

Na sequência, o ator Marcello Antony , pai de um casal de crianças adotadas, falou da sua emoção como pai, criticou o egoísmo de pais que pensam mais em si do que nas crianças abandonadas e revelou que é uma espécie de garoto-propaganda da adoção.

Por fim, na última reportagem da série , selecionamos alguns dos muitos depoimentos dos internautas. Dramas e alegrias do mundo da adoção revelados com muita emoção pelos leitores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.