Manila, 26 jun (EFE).- Milhares de admiradores de Michael Jackson na região do Sudeste Asiático e Oceania expressaram hoje seu pesar pela morte do cantor por causa de uma parada cardiorrespiratória, aos 50 anos.

Nas Filipinas, um país apaixonado por sua música e onde fez muitos shows, a voz mais destacada foi a de um prisioneiro que se tornou famoso por imitá-lo em um número na prisão e dentro de cujos muros foi mantido um minuto de silêncio pelo "Rei do Pop".

Em um vídeo, visto por mais de 23 milhões de pessoas no YouTube, Crisanto Niere liderou uma coreografia da canção "Thriller" com cerca de 1.400 presos em um presídio de Cebu (cidade filipina), com um transexual no lugar da namorada de Jackson no clipe original.

Cingapura, onde Michael atuou duas vezes em 1993 e 1996, encaixou a notícia de sua morte com tristeza, e vários admiradores, a maioria de média idade, lembraram como cresceram junto com suas canções, segundo comentários publicados nos foros de internet.

Na vizinha Malásia é vendida a bebida de leite de soja "Black or White", denominada assim em homenagem à canção do álbum "Dangerous" e conhecida popularmente como "Michael Jackson" ou "MJ".

Muitos seguidores malaios da estrela do pop aproveitaram a ocasião para criticar as conservadores autoridades locais, que cancelaram o show que em 1996 Michael ia fazer em Kuala Lumpur porque sua performance era provocadora demais.

Por sua parte Di Rolle, um publicitário que trabalhou na última viagem de Jackson na Austrália, qualificou o "Rei do Pop" de "gênio incompreendido".

"Foi sempre muito tímido, complicado e estranho (...) é um dia muito triste para todos", declarou à televisão Rolle, que em 1996 participou em Sydney do casamento do cantor com Debbie Rowe, sua segunda esposa.

Finalmente na Nova Zelândia, centenas de admiradores acabaram em apenas algumas horas com as reservas de objetos relativos a Michael nas lojas de música de Auckland e Wellington. EFE csm/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.