Adiar decisão sobre Raposa é apostar em outro episódio de violência, diz Vannuchi

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, lamentou nesta terça-feira (16) que o julgamento sobre a terra indígena Raposa Serra do Sol tenha sido postergado, mesmo com a indicação de oito ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de que a reserva deverá permanecer demarcada em faixa contínua.

Agência Brasil |

"Pedir mais meses representa apostar em um novo episódio de violência, de morte, que provoque grande comoção, para ver se há uma volta atrás na votação. Mas os ministros estudaram o tema por muitos meses, seus votos estão muito bem pensados e não devem mudar, avaliou Vannuchi, durante a 11ª Conferência Nacional de Direitos Humanos, em Brasília.

Ele também falou sobre educação. A Secretaria Especial dos Direitos Humanos pretende enviar ao Congresso um projeto de lei que inclua os direitos humanos nas diretrizes pedagógicas das escolas. De acordo com Vannuchi, o projeto deve ser pensado fora do gabinete, de modo a contemplar as diferentes realidades do país. 

Essa lei tem que ser um processo de convencimento como o SUS, que rompeu a lógica partidária entre oposição e situação. É preciso fazer um plano formal de educação em direitos humanos que reúna isso também e pense para os próximos dez, vinte anos, disse Vannuchi.

O projeto, que deverá ser incorporado à Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), ainda está sendo elaborado e não tem data para ser concluído.

Leia mais sobre: Raposa Serra do Sol

    Leia tudo sobre: raposa serra do sol

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG