Adeptos contam benefícios do vegetarianismo

Adeptos contam benefícios do vegetarianismo Por Equipe AE São Paulo, 02 (AE) - Banir o bife do prato, encher a geladeira de maçãs, alface e legumes. À primeira vista, o vegetarianismo parece ser apenas isso: uma dieta simples, cujo sucesso depende só de resistir às tentações da carne.

Agência Estado |

Ser vegetariano, contudo, é uma opção mais complexa. Palavra de especialista. "Tirar a carne do cardápio não é garantia de alimentação saudável", diz o nutricionista George Guimarães, pesquisador do tema.

Para preservar a saúde, o vegetariano deve se informar sobre o valor nutritivo dos alimentos, sozinho ou por meio de profissionais, de modo que consiga balancear sua refeição. "É trabalhoso, mas perfeitamente viável para todos: de atletas a executivos", garante Guimarães. Experiência no assunto não lhe falta. Vegetariano desde os quatro anos, criou os filhos Lucas, 9 anos, e Lucius, 8, na mesma linha.

Os meninos da família Guimarães seguiram a linha vegana, uma das mais restritivas entre os vegetarianos, até os quatro anos: esse cardápio exclui, além das carnes, ovos e produtos à base de leite. "Por decisão da mãe, motivada pelo aspecto social, hoje eles são ovolactovegetarianos. Passaram a surgir situações complicadas: como ignorar o bolo da festinha do amigo, o queijo no macarrão na casa do colega?", indaga.

Para Guimarães, crianças são mais sensíveis à questão. "Quando me dei conta de que comia bichos mortos, fiquei confuso", lembra. O entretenimento infantil, aliás, já detectou esse viés emocional. No desenho "Procurando Nemo" há até um tubarão vegetariano. Em "A Fuga das Galinhas", é impossível não vibrar quando as penosas vão à forra contra uma cruel exploradora de aves. Para os crescidinhos, vale a postura de Lisa, a pequena notável de "Os Simpsons", que se recusa a comer ‘bichos mortos’.

Mesmo para um especialista em nutrição, apto a executar combinações certeiras entre os alimentos, há tarefas desafiadoras quando se trata de vegetarianismo. A principal delas é garantir o suprimento da vitamina B12. "Recomendamos, sobretudo ao vegano, fazer a suplementação da vitamina. Quanto ao ferro, feijão, melado de cana e castanhas são boas fontes."

A orientação dietética de Guimarães encontra respaldo nas conclusões de vários profissionais da área médica: é consenso entre eles que a manutenção da saúde não depende do consumo de carne. Vegetarianos bem-informados costumam ser, aliás, menos suscetíveis a doenças cardiovasculares, diabete e certos tipos de câncer do que carnívoros.

Aliado à motivação nutricional, o argumento ecológico embutido na abstenção de carne tem ajudado a esverdear o prato de muita gente. Acusado de incentivar a devastação florestal e o efeito estufa, o comércio de carne tem recebido ataques até da ONU. No mês passado, a BBC divulgou um pronunciamento de seu principal cientista climático, Rajendra Pachauri, sobre o tema: "Comam menos carne. As pessoas estão reduzindo as jornadas de carro, ansiosas sobre suas pegadas de carbono, mas não percebem que mudar o que está no prato pode ter efeito maior", disse.

No Brasil, o estilo verde tem despertado interesse. Segundo dados do grupo francês Ipsos, líder em pesquisas de opinião, 28% das pessoas entrevistadas no País disseram que "têm procurado comer menos carne". Se o consumidor quer, o mercado oferece. O Carrefour, por exemplo, investe na linha Viver, com alimentos orgânicos, dietéticos ou à base de soja. Criada em 2006 com 80 produtos, dispõe hoje de 290 itens. Marcas famosas, como Sadia e Perdigão, já têm versões naturebas de suas delícias: de lasanhas sem queijo a hambúrguer de soja.

Veteranos do vegetarianismo, que descobriram o poder da comida da terra muito antes de a dieta cair nas graças de artistas e virar moda, comemoram o crescimento da onda verde. É o caso da cantora Patrícia Marx, que se interessou pelo assunto há 17 anos. "Há cinco anos não tinha isso tudo, ser vegetariano era mais difícil. O que me tocou, no início, foi o sofrimento dos animais, mas apesar da minha convicção, não fico fazendo sermão. Conto, porém, dos benefícios, inclusive estéticos: perdi sete quilos que jamais recuperei ao adotar essa dieta. Minha digestão melhorou, as dores de estômago sumiram", relata.

Patrícia aderiu ao vegetarianismo de modo gradual. Aboliu primeiro a carne vermelha e, há nove anos, quando engravidou de Arthur, excluiu também aves e peixes. "Ficou mais fácil ser vegetariano. Encontro dezenas de restaurantes, há sanduíches vegetarianos até no supermercado. Esse estilo de vida vem conquistando o Brasil. Em 2002, quando morei em Londres, já havia até peito de peru feito de soja!", lembra.

A ONU estima que 10% dos ingleses sejam vegetarianos. Para o Brasil, faltam dados específicos sobre o mundo verde. Há, porém, indicativos do crescente interesse pelo tema. "Recebo cerca de 5 mil visitas diárias em meu site, o vegetarianismo (www.vegetarianismo.com.br).Vejo uma demanda cada vez maior por informações", diz a socióloga Marly Winckler, presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB).

Marly é gaúcha e aboliu a proteína animal há 25 anos, mas conta que antes foi até churrasqueira. "Tenho marca de cortes nos dedos. Quando mudei a dieta, vivia tendo de justificar minha escolha, me sentia um ET. Hoje é diferente: as pessoas é que tentam explicar porque ainda comem animais."
Para evitar discussões indigestas, Marly escreveu em 1997 um livro introdutório ao assunto:
"Vegetarianismo - Elementos para uma conversa sobre". "Não gosto de patrulha. É preciso respeitar os demais. As pessoas já estão percebendo que há mais boi que gente no mundo. São 200 milhões! Falta conhecerem outros dados. Em estudos da SBV vimos, por exemplo, que o bandejão vegetariano traria uma economia de 30% para as empresas."

No lar da apresentadora Fernanda Lima, o cardápio é meio a meio. "Só eu sou vegetariana. Meus filhos já começam a comer papinha de legumes cozidos em caldo de carne, mais tarde poderão escolher como querem se alimentar. Não é fácil ser vegetariano quando o sistema empurra você para o consumo exagerado de carnes. Essa foi uma das razões que me levaram a abrir o restaurante Maní, com 50% de opções vegetarianas e outros 50% de pratos com carnes", conta.

Gaúcha, Fernanda é vegetariana há cinco anos e ainda se esforça para resistir aos prazeres da carne. "Foi difícil abandonar antigos hábitos. Gosto de churrasco e quando sinto o cheirinho me dá tanta vontade! O que incomoda é não saber quanto de hormônio é colocado nas carnes e quantas vezes aquilo já foi congelado e descongelado até chegar ao prato. Ao engravidar, senti muito desejo de carne e comi bastante. Aí, passava o dia sentindo um peso indigesto", lembra. Ela percebeu, então, que a carne já passou do ponto em sua vida. "Sem carnes a digestão fica rápida e o intestino funciona perfeitamente", conclui.

Para vegetarianos mais recentes, como Luis Godoy, 21 anos, que aderiu ao estilo há três anos, a geladeira sem carnes simboliza mais que uma dieta. Trata-se de um estilo de vida. "Vai além da tortura animal. O vegano colabora com o meio ambiente e com seu próprio corpo. Sinto a diferença na respiração, disposição e até no crescimento pessoal. Basta querer: hoje há muita informação."

Amigos do publicitário Fábio Chaves, 26 anos, podem obter dados instantâneos sobre vegetarianismo. "Trago no bolso um folheto que fiz com dados da ONU. Não fico constrangido com piadas, o humor traz a chance de iniciar o assunto. Quando me perguntam sobre o porquê de não comer animais, eu rebato com outra questão: afinal, por que comê-los?"

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG