Um homem morreu durante uma troca de tiros com policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) na noite desta sexta-feira, 12, no Parque Peruche, zona norte de São Paulo. Ele é acusado de ter assaltado minutos antes uma casa na Rua Ouro Grande, com a ajuda de três comparsas.

Um deles foi preso e os outros dois, entre eles uma mulher, conseguiram fugir.

A casa na Rua Ouro Grande, onde mora uma família de bolivianos, foi invadida pela quadrilha pouco depois das 19 horas. Naquele momento, quatro homens estavam no local. Pouco depois, uma costureira de 24 anos grávida de três meses e a sua filha de 6 anos chegaram à residência. "O meu marido deixou a gente de carro na porta e saiu. Eles (os criminosos) já estavam lá, me pegaram pelo cabelo e me arrastaram, e a minha filhinha também", contou a costureira, que pediu para não ser identificada.

Durante a ação, os quatro homens que estavam na residência foram amarrados, amordaçados e agredidos com chutes. Segundo a vítima, enquanto os três criminosos do bando reviravam a casa, a comparsa permanecia na entrada, vigiando.

Foram roubados celulares, aparelhos eletroeletrônicos, um relógio e uma pequena quantia em dinheiro. A costureira afirmou que, depois da sua chegada com a filha, os bandidos permaneceram cerca de cinco minutos na residência.

Testemunhas perceberam a ação dos bandidos e avisaram a PM. Quando chegaram ao local, os PMs da Rota viram os criminosos saindo da casa e deram início a uma perseguição. Segundo o tenente Hiran, um deles atirou duas vezes contra a viatura antes que a polícia revidasse e o atingisse.

Baleado, o acusado foi socorrido ao Pronto-Socorro (PS) Santana, mas não resistiu aos ferimentos e morreu em seguida. Com ele, foram apreendidos um revólver calibre 38 - com duas cápsulas deflagradas, conforme a PM - um relógio e pouco mais de R$ 30 roubados das vítimas.

Nas imediações, os policiais conseguiram prender um homem, desarmado, já reconhecido pelas vítimas como um dos assaltantes. De acordo com os policiais, ele já tem oito passagens pela polícia e deixou a cadeia no início do ano. Até a manhã deste sábado, 13, o nome de nenhum dos dois acusados foi divulgado.

Os outros dois integrantes da quadrilha, entre eles a mulher, conseguiram fugir. A polícia ainda não tem pistas dos foragidos. O caso foi registrado no 13º Distrito Policial (Casa Verde).

Desanimada com a violência, a costureira afirmou que pretende voltar à Bolívia com a família. "Se Deus quiser ainda este ano eu volto", desabafou. Ela contou que já havia sido assaltada duas vezes na rua, mas nunca dentro de casa. "Não sei como eles entraram, talvez tenham pulado o muro", arriscou. A família de bolivianos assaltada está no Brasil há oito anos. Eles trabalham na indústria têxtil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.