Acesso de negros ao ensino médio ainda é restrito, mostra Ipea

BRASÍLIA - A terceira edição preliminar do estudo Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, divulgada nesta terça-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apontou que questões raciais ainda restringem o acesso da população brasileira à educação. No ensino médio, a taxa que mede a proporção da população matriculada no nível de ensino adequado à sua idade para a população branca era de 58,4, em 2006, enquanto para negros era de 37,4.

Redação Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

"O acesso ao ensino médio ainda é bastante restrito em nosso país, mas significativamente mais limitado para a população negra, que, por se encontrar nos estratos de menor renda, é mais cedo pressionada a abandonar os estudos e ingressar no mercado de trabalho", conclui o levantamento. De acordo com a pesquisa, mesmo no ensino fundamental, 95,7 da população branca estava matriculada no nível de ensino adequado, em 2006, enquanto, entre os negros, a taxa era de 94,2.

O estudo também mostrou diferenças representativas no que se refere ao acesso à saúde. Para os brancos, 54% dos atendimentos e 59% das internações foram cobertos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Já para os negros, as proporções foram de 76% e 81,3%, respectivamente. "Este fato dá fortes indícios do quanto a população negra é SUS-dependente", aponta a pesquisa.

Leia também:

Leia mais sobre: questões raciais

    Leia tudo sobre: questoes raciais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG