Uma ação popular cobra do senador Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA) e do espólio da família Magalhães a devolução de salários de uma suposta funcionária fantasma contratada pelos gabinetes parlamentares de três representantes do clã. A servidora é Siméa Maria de Castro Antun que alega, em juízo, ser mãe de um filho de Luís Eduardo Magalhães ¿ deputado morto em 1998 e que era preparado pelo ex-senador Antônio Carlos Magalhães para ser presidente da República.

Reportagem da revista "Veja" de dezembro sustenta que Siméa trabalhou como funcionária fantasma primeiro no gabinete de Luís Eduardo, na Câmara, e depois no de ACM, morto em julho de 2007. Empossado na vaga deixada pelo pai, do qual era suplente, ACM Júnior manteve a funcionária sob suas ordens até o mês passado. Desde setembro, Siméa reivindica na Justiça a inclusão do filho de 14 anos na partilha do espólio da família do ex-deputado baiano, com quem teria mantido um relacionamento extraconjugal.

Leia tudo no Congresso em Foco

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.