Abin diz que Exército tem aparelho para grampo

A crise do grampo abriu a caixa-preta dos serviços secretos do governo. Integrantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) afirmaram nesta quarta-feira que o Exército possui parte do arsenal de aparelhos eletrônicos utilizado pelos agentes.

Agência Estado |

Foi um contra-ataque ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, que durante a reunião de coordenação política do governo acusou a Abin de possuir equipamentos que permitem a realização de grampos. Integrantes da agência, de vários níveis hierárquicos, apresentaram o seguinte argumento: se a Abin tem equipamentos que permitem que se façam grampos, o Exército também tem e poderia da mesma forma realizar escutas.

A Abin lembra que seus aparelhos foram adquiridos "no rastro" dos comprados pelo Exército. Há quem seja ainda mais direto, informando que o lote de compras foi o mesmo, aproveitando idênticas condições de preços. O Exército, no entanto, não informa que tipo de equipamentos possui e alega, em nota, que se trata de "assunto sensível e estratégico do ponto de vista militar" e, por isso, "se reserva ao direito de não detalhar sua dotação e características deste tipo de material".

O comandante do Exército, general Enzo Peri, declarou ontem que "os equipamentos foram comprados pelo Exército para o GSI (Gabinete de Segurança Internacional) fazer varreduras". Lembrou ainda que a Força mandou para o Palácio do Planalto, a pedido do próprio GSI, três militares para avaliar o que os aparelhos adquiridos pela Abin são capazes de fazer. O trabalho de avaliação da capacidade dos equipamentos começou na terça-feira, mas ainda não tem data para ser concluído. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também:

Leia mais sobre: grampos

    Leia tudo sobre: abin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG