Abic vê consumo de café crescendo em 2009 e oferta mais apertada

Por Roberto Samora SÃO PAULO (Reuters) - O consumo de café no Brasil continuará crescendo a taxas anuais de 4 a 5 por cento em 2009, com o reforço de uma demanda maior da classe C e sem indicações de que a crise econômica trará algum reflexo negativo para o setor, disse o diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic).

Reuters |

Assim, a demanda interna do Brasil, o segundo maior consumidor mundial atrás dos Estados Unidos, deverá se aproximar das 19 milhões de sacas de 60 kg ao final de 2009, contra esperadas 18 milhões de sacas em 2008.

"Não acreditamos que a crise se reflita de forma significativa no consumo de alimentos, principalmente de alimentos diários, como é o caso do café", declarou à Reuters Nathan Herszkowicz, por telefone.

Apesar de a Abic ainda não ter fechado os dados do consumo em 2008, o que só ocorrerá ao final de janeiro, informações preliminares apontam para 18 milhões de sacas consumidas internamente no ano passado, disse o diretor da Abic.

"Com o número de 18 sendo confirmado, mantemos a meta de 21 milhões (para 2011)", destacou o diretor, observando que o Brasil consumiu 17,1 milhões de sacas em 2007.

A confiança da Abic no crescimento do consumo em 2009 está baseada numa pesquisa com mais de 2 mil pessoas, divulgada no final do ano passado, que mostra que a penetração do café aumentou entre a população brasileira.

Em anos anteriores, entre 91 e 93 por cento dos brasileiros se diziam consumidores de café, contra 97 por cento verificados na pesquisa realizada em outubro de 2008, justamente quando a crise internacional se acentuou.

Além disso, os integrantes da classe C consumidores de café passaram de 38 para 43 por cento dos entrevistados de 2007 para 2008 --a classe C, com renda mensal de 726 a 2.011 reais, representa mais de 40 por cento da população.

O número de doses diárias de café também mostrou aumento. "Não só mais pessoas estão bebendo café, como as pessoas estão bebendo mais café a cada dia", disse Herszkowicz.

Além da melhora da renda da população nos últimos anos, o que permitiu que mais pessoas consumam café, a bebida também está sendo beneficiada pelo aumento do número de cafeterias no país, que torno o consumo um hábito mais trivial, em meio a campanhas de marketing promovidas pela Abic.

OFERTA APERTADA

Simultaneamente ao esperado aumento no consumo em 2009, as torrefadoras brasileiras terão de lidar com uma oferta mais apertada, em função da queda na safra 2009/10 brasileira devido à baixa no ciclo bianual de produção do arábica.

A produção do país, o maior produtor mundial, deve cair de 46 milhões de sacas em 08/09 para aproximadamente 37,8 milhões de sacas em 09/10.

Mas Herszkowicz não prevê problemas para abastecimento, apenas preços da matéria-prima mais firmes.

"O número (da safra) é relativamente preocupante, mas passamos por situação parecida em outros anos e não houve falta de café, seja para atender à demanda externa quanto para atender ao consumo interno... Contamos com oferta mais apertada e portanto com preços sustentados da matéria-prima."

Com safra menor, consumo interno de quase 19 milhões de sacas e exportações previstas em 25 milhões de sacas , o Brasil terá de queimar estoques na temporada 09/10.

De acordo com o diretor da Abic, a situação de aperto será mais sentida no primeiro semestre, período mais crítico de entressafra, quando os estoques serão usados com mais intensidade.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG