Abadia do Monte Saint-Michel só perde em número de visitas para a Torre Eiffel Por Mônica Nóbrega Mont Saint-Michel, 24 (AE) - A vista a partir da estrada de acesso é dessas capazes de fazer a gente se perguntar quem terá sido o autor de uma ideia tão prodigiosa. Encarapitada no topo do rochedo de granito em formato de cone, assentada como uma coroa de rei, a Abadia do Monte Saint-Michel acrescenta mais 80 metros à altura natural da pedra, também de 80 metros.

Desde o século 8º o templo equilibrado lá em cima assiste ao desenrolar de um enredo de fé, guerras, conquistas e alguns desastres naturais. Segundo a tradição, a primeira igreja teria sido erguida ali no ano 709 pelo bispo da vizinha Avranches, a pedido de São Miguel. Além da função religiosa, sua vocação sempre foi a de servir de abrigo. Fosse para soldados encarregados de vigiar a fronteira entre a Bretanha e a Normandia, exatamente ali na Baía do Monte Saint-Michel, ou para peregrinos em busca de conforto espiritual, que ainda hoje chegam à cifra de 100 mil por ano.

Durante os 13 séculos de história, a abadia enfrentou 13 incêndios, 10 causados por tempestades e os outros, por guerras. Entre restaurações feitas com os materiais possíveis e ampliações pode-se observar colunas e arcos que são autênticos exemplares da arquitetura românica, abóbadas e torres góticas, tetos normandos...

Na igreja principal há um quadrado formado por colunas distantes 8 metros entre si. Esse ponto é o único assentado diretamente sobre a rocha. Os outros 420 metros de superfície da abadia exigiram estruturas auxiliares de apoio.

Não há acesso para carros. Chegar à entrada principal exige disposição para enfrentar uma subida puxada e uma escada de 400 degraus.

MARÉ - Por falar em acesso, o tema é, atualmente, motivo de acalorados debates entre os moradores e comerciantes do monte. Com 53 habitantes que elegem, normalmente, o seu prefeito, a minicidade está diante do desafio de redefinir o seu modelo de turismo, já que, com 3 milhões de visitantes por ano, é um dos principais destinos da França - a abadia é o segundo monumento mais visitado do país, atrás apenas da Torre Eiffel.

Os estacionamentos ao pé do rochedo serão reposicionados a 3 quilômetros de distância e a estrada, destruída para que a maré cheia volte a deixar o monte completamente ilhado. Decisões que vêm despertando amor, ódio e dúvidas. As obras, com término programado para 2015, custarão cerca de 220 milhões.

Abadia do Monte Saint-Michel: mont-saint-michel.monuments-nationaux.fr. Entrada: 8,50 (R$ 21)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.