A cada hora, dez pessoas são atacadas por cães em SP

Um estudo inédito da Secretaria da Saúde de São Paulo revela que ao menos dez pessoas são atacadas por cães a cada hora no Estado. De acordo com o levantamento, o índice considera a média de 85,4 mil ataques anuais notificados pelos serviços de saúde entre 2005 e 2009, por intermédio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Agência Estado |

Os cães representam 84,4% das agressões de animais contra as pessoas no Estado. Depois vêm os gatos, com 8%, seguidos pelos morcegos, com 0,9%, herbívoros domésticos (0,5%) e primatas não-humanos (0,3%). Ainda segundo o estudo, do total de agressões registradas, 55% são contra homens. Trinta e quatro por cento dos ferimentos causados pelos cães são considerados profundos, 6% são dilacerantes e 60%, superficiais. Há múltiplos ferimentos em 38% dos casos.

"Se a pessoa for agredida por um cão ou qualquer outro animal, é muito importante que procure um serviço de saúde mesmo se o ferimento não for grave, pois pode haver a necessidade de tomar a vacina contra a raiva", afirma Neide Takaoka, diretora do Instituto Pasteur, órgão da secretaria.

Vacina

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a vacina contra a raiva humana gratuitamente em postos de saúde e hospitais públicos. A relação dos endereços pode ser conferida pelo site do Centro de Vigilância Epidemiológica da secretaria, por meio do site (http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/imuni/posto_sorod1.htm).

Diferentemente do que ocorria em décadas anteriores, a vacina contra a raiva não é aplicada na barriga. São cinco doses, no braço do paciente. O último caso de raiva humana no Estado de São Paulo foi registrado em 2001.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG