80% das reações a transfusões no País não são notificadas, diz Anvisa

SÃO PAULO - Boletim inédito da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alerta que 80% dos problemas com transfusões de sangue no Brasil ainda não são notificados ao órgão. O registro de reações permitiria medidas de correção e prevenção.

Agência Estado |

O documento, lançado no fim do ano passado, informa que, em 2007, 3 milhões de transfusões ocorreram no País, segundo estimativas feitas pela Anvisa, mas apenas 1.792 reações a elas foram informadas à agência.

No entanto, segundo cálculos do órgão de vigilância, eram esperadas 8.908 reações, o que significa uma subnotificação de 80% no País - ainda pior nas Regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Nesta última, a subnotificação chegou a 98,7%. A conta do número de reações esperadas é feita com base em literatura científica, que aponta 3 reações para cada 1.000 transfusões realizadas.

Algumas das reações à transfusão de sangue, como febre, alergias e até lesões pulmonares são, em geral, relacionadas a uma resposta do sistema imunológico do paciente à entrada do sangue doado no organismo. No entanto, também as contaminações bacterianas ou a transmissão de doenças infecciosas após transfusões são consideradas reações, além das mortes.

Em 2007, a maioria das reações registradas foram leves ou moderadas, principalmente febre e alergia. Foram notificados 3 casos de pessoas que contraíram malária (doença infecciosa) em transfusões. Duas outras morreram por receber o tipo sanguíneo errado.Só conhecendo a realidade é que poderemos prevenir os problemas, afirma Geni de Almeida, responsável pela Unidade de Bio e Hemovigilância da Anvisa. As informações são do jornal "O Estado de S.Paulo".

Leia mais sobre: transfusão de sangue

    Leia tudo sobre: transfusão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG