Tamanho do texto

Recolhimento de veículos ocorreu por iniciativa das empresas, que temem novos ataques de criminosos, segundo informações da prefeitura de Natal

Antes de atear fogo no ônibus em Natal, os criminosos mandaram os passageiros descerem, de acordo com a SSP
Twitter/Reprodução
Antes de atear fogo no ônibus em Natal, os criminosos mandaram os passageiros descerem, de acordo com a SSP

A prefeitura de Natal informou neste sábado (2) que a frota de ônibus da capital do Rio Grande do Norte parou de circular no final da tarde após um coletivo ter sido incendiado por criminosos . Segundo as informações, o recolhimento dos veículos ocorreu por iniciativa das empresas, que temem novos ataques. 

Leia também: Tiroteio em comunidade Vila Kennedy, no Rio, deixa dois mortos e três feridos

De acordo com a prefeitura, táxis, vans de transporte escolar e veículos de turismo estão autorizados a realizar serviço de lotação até que a frota retorne às atividades. O sindicato das empresas de ônibus informou que a frota voltará a circular em Natal normalmente neste domingo (3). 

De acordo com a secretaria de segurança, antes de atear fogo no ônibus, os criminosos mandaram os passageiros descerem, e não houve feridos. Nas redes sociais, é possível encontrar vídeos do coletivo que foi incendiado. Confira:

Leia também: Greve dos caminhoneiros pode causar prejuízo de R$ 1,5 bi ao Porto de Santos

Policial também foi assassinado em Natal

Mais cedo, o soldado da policia militar Kelves Freitas de Brito foi assassinado por dois criminosos em um estabelecimento comercial em Parnamirim, na região metropolitana de Natal.

Em nota, a PM do Rio Grande do Norte informou que investiga os fatos e está realizando diligências para prender os acusados do ataque ao coletivo e da morte do policial.

Leia também: Separe o cobertor! Frente fria deve derrubar temperaturas em São Paulo

Antes mesmo destes casos em Natal , no início do ano, cerca de 2 mil militares da Forças Armadas foram enviados para reforçar a segurança no estado durante o período em que policiais entraram em greve pelo o atraso no pagamento de salários e do 13º.