Em janeiro de 2018, 154 pessoas foram mortas pela polícia no estado do Rio de Janeiro; no mesmo período, 12 policiais foram assassinados

Pelo menos 154 pessoas foram mortas pelas polícias no estado do Rio de Janeiro no primeiro mês de 2018
Facebook/Reprodução
Pelo menos 154 pessoas foram mortas pelas polícias no estado do Rio de Janeiro no primeiro mês de 2018

Em janeiro de 2018, pelo menos 154 pessoas foram mortas pelas polícias no estado do Rio de Janeiro . Este é o maior número computado em 15 anos de pesquisas pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), que divulga anualmente as taxas de crime no Rio tendo com base os registros de ocorrência feitos nas delegacias de Polícia Civil.

Leia também: Desprezar direitos no combate ao crime abriria "porta da barbárie", diz Jungmann

Ao todo, foram 6 49 mortes violentas no estado em janeiro de 2018 – o que significa que as mortes provocadas por policiais representam 24% do total. No mesmo período, 12 policiais foram assassinados no estado.

O número de pessoas mortas por policiais aumentou 57,1% na comparação com janeiro de 2017. Em janeiro do ano passado, 98 pessoas foram mortas por policiais.

Antes, o mês com maior número de mortos era abril de 2008, antes da implementação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). Na época, 147 pessoas foram mortas por policiais.

Questionada pelo jornal Folha de S.Paulo , o diretório do Fórum de Segurança Pública, organização que discute soluções para o setor, afirmou que “o fato de a polícia ter autorização para usar a força letal não significa que eles tenham carta branca para decidir quem morre e quem vive nas periferias das grandes cidades”.

A intenção da secretaria de Segurança do Rio era diminuir em 20% as mortes por policiais no estado.

Outros indicadores

Houve redução de 2,1% nos homicídios dolosos no estado, com 469 casos em janeiro de 2018. Considerando, contudo, todos os crimes violentos, que incluem homicídios dolosos, latrocínios e homicídios decorrentes da ação policial, o aumento foi de 7,6%, com um total de 649 em janeiro.

Leia também: Maioria dos condenados por tráfico é réu primário, diz pesquisa

Quanto ao número de policiais mortos em serviço, janeiro teve duas vítimas a mais do que o primeiro mês de 2017, com seis casos. Outros seis foram assassinados foram do serviço.

Também foram registrados 5.286 roubos de veículo, um aumento de 25,7%. Quanto aos assaltos, foram 11.770 furtos, três roubos a banco, dez a caixas eletrônico, 596 roubos a estabelecimentos comerciais, 108 a residências, 7.829 roubos a transeunte, 977 roubos de carga e 1.070 roubos em coletivos.

Sobre a produtividade policial, houve aumento de 5,6% na apreensão de armas, com um total de 790 no mês. Foram feitas, também, 1.793 apreensões de droga, 5,2% a mais do que em janeiro de 2017.

Foram recuperados, em janeiro, 3.695 veículos, 17,3% a mais do que o mesmo período do ano anterior.

Segundo o ISP, a Polícia Civil paralisou algumas atividades nos primeiros meses do ano passado, o que acarretou a subnotificação de alguns tipos de delitos. Portanto, comparações temporais podem estar atípicas. De acordo com a Polícia Civil, contudo, registros de letalidade violenta não foram afetados.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Militares “ficham” moradores de favelas e impedem cobertura de jornal no Rio

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.