Silva era o único adulto envolvido no crime; o caso ocorreu em maio de 2015, quando quatro adolescentes foram abusadas em Castelo; uma vítima morreu

Adão José Sousa da Silva foi condenado a 100 anos e 8 meses de prisão por comandar estupro coletivo no Piauí
Reprodução/Globo
Adão José Sousa da Silva foi condenado a 100 anos e 8 meses de prisão por comandar estupro coletivo no Piauí

Acusado de comandar e participar de um estupro coletivo de quatro adolescentes, Adão José Sousa da Silva, 43 anos, foi condenado a 100 anos e 8 meses de prisão em regime fechado, na madrugada desta quarta-feria (28). O crime aconteceu em maio de 2015, em Castelo do Piauí, a 189 km de Teresina.

Leia também: Piauí tem o terceiro caso de estupro coletivo em menos de um mês

Apesar da decisão tomada perto das 4h de hoje pelo Tribunal do Júri, no Fórum da cidade, Silva nega qualquer envolvimento com o crime. O estupro coletivo culminou ainda na morte de uma das vítimas, Danielly Rodrigues Feitosa, 17 anos. As outras três vítimas foram ouvidas durante o julgamento.

O crime ocorreu quando as jovens amigas foram ao Morro do Garrote – um dos pontos turísticos do município – para tirar fotos para um trabalho escolar. Lá, elas foram atacadas por cinco homens. Silva era o único adulto envolvido e, segundo a Justiça, comandou a ação dos outros quatro adolescentes.

Leia também: Quatro homens são condenados por estupro coletivo em Santa Catarina

Ele foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de porte ilegal de arma, estupro qualificado, homicídio qualificado, tentativa de homicídio, corrupção de menores e associação criminosa.

Espancamento até a morte e o destino dos demais envolvidos

No mesmo ano do crime, dois meses depois do estupro, o juiz Leonardo Brasileiro, da Comarca de Castelo do Piauí, decidiu pela internação dos quatro adolescentes acusados de agirem junto a Adão. 

Eles foram detidos no Centro Educacional Masculino, em Teresina, para cumprir pena análoga aos seguintes crimes: quatro estupros, três tentativas de homicídio, um homicídio com agravante de feminicídio e associação criminosa.

Na noite do dia 16 de julho, porém, segundo dia de internação no Centro Educacional Masculino, um dos adolescentes, Gleison Vieira da Silva, 17 anos, foi espancado até a morte dentro da cela. De acordo com o laudo liberado pelas autoridades locais, o jovem sofreu traumatismo craniano. 

Leia também: Vítima de estupro coletivo é assassinada e deixada para ser comida por cachorros

Gleison havia sido o delator do estupro coletivo. Na época, os demais adolescentes negavam suas participações no crime, o que mudou após a morte de um dos jovens. Pressionados, os outros três confessaram os atos e foram transferidos para o Centro de Internação Provisória (Ceip).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.