Próprio grupo de criminosos gravou imagens; no vídeo, aparecem andando de carro enquanto carregam armas de grosso calibre

Imerso num cotidiano de violência e insegurança, é comum associar o Rio de Janeiro a armas, drogas e tiroteios. Um vídeo que circula pela internet expõe essa situação de forma clara e curiosa – isso porque foram os próprios criminosos quem gravaram o vídeo.

Leia também: Ostentação e guerra: em meio a conflitos, bandidos da Rocinha 'se exibem' na web

No vídeo, um grupo de seis jovens divididos em dois carros passa em alta velocidade pela rua Malha, principal via da favela Nova Holanda, situada no Complexo da Maré, Rio de Janeiro. Alguns tem a cabeça e parte do corpo do lado de fora do carro, assentados sobre a porta. A região, segundo informações da polícia, estaria sob disputa por grupos rivais.

Eles vão fortemente armados, apontando para o alto, e parecem comemorar algo. Só um deles traz o rosto coberto.

A polícia já teve acesso às imagens, e informa estar à procura dos criminosos.

Violência

No fim do ano passado, O ministro da Justiça, Torquato Jardim, fez críticas severas à segurança pública do Rio e disse que a Polícia Militar não é controlada pelo governador Luiz Fernando Pezão e pela secretaria de Segurança, mas sim por um acerto entre deputados estaduais e o crime organizado.

Leia também: Exército captura quatro e apreende fuzil AK47 após novo tiroteio na Rocinha

O ministro analisou que está ocorrendo uma mudança no perfil da criminalidade no Rio e disse que a milícia – grupos paramilitares muitas vezes formados por ex-policiais - está tomando conta do narcotráfico. 

Pezão (MDB), por sua vez, negou as acusações do ministro e afirmou que o governo estadual e o comando da Polícia Militar não negociam com criminosos. Pezão completou destacando que as "escolhas de comandos de batalhões e delegacias fluminenses são decisões técnicas e que jamais recebeu pedidos de deputados para tais cargos".

Marcelo Crivella (PRB), prefeito do Rio, também se apressou em rebater as críticas do ministro. “A Polícia Militar é formada por homens de bem. Se há banda podre, vamos combatê-la. Mas não se pode generalizar um tropa que tem prestado relevante serviço à nossa cidade”, disse Crivella.

Leia também: Polícia irá indiciar traficantes envolvidos em conflitos na favela da Rocinha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.