Com 726 mil presos, Brasil supera Rússia e é o 3º com maior população carcerária

Maioria dos presidiários no País é negra e jovem; nove em cada dez presos no Brasil estão detidos em cadeias superlotadas, segundo Ministério da Justiça
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (02.05.15)
Maioria dos presidiários no Brasil é negra e jovem, com idades entre 18 e 24 anos, segundo os dados do Depen

O Brasil ultrapassou a Rússia e se tornou o país com a terceira maior população carcerária do mundo: são mais de 726 mil presidiários por aqui, número que fica abaixo apenas do verificado nos Estados Unidos (2,1 milhões) e na China (1,6 milhão). Antigos donos da terceira posição no ranking, os russos agora aparecem na quarta posição, com 646 mil detentos. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (8) pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão vinculado ao Ministério da Justiça.

Leia também: Ex-professor é procurado pela Interpol por desviar quase R$ 1 milhão da USP

De acordo com a nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), que reúne dados referentes a 2015 e ao primeiro semestre de 2016, praticamente nove em cada dez presidiários no Brasil (89%) encontram-se em unidades com deficit de vagas, ou seja, em cadeias superlotadas – independente do regime de cumprimento da pena. 

No tema superlotação, o estudo do Depen mostra ainda que 78% das unidades prisionais brasileiras comportam mais presos do que o número de vagas disponíveis.

A maior taxa de ocupação foi verificada no estado do Amazonas, onde os presídios funcionam, em média, com mais de quatro vezes (484%) a sua capacidade. E foi justamente naquele estado que teve início uma grande crise penitenciária verificada no início deste ano, quando mais de 50 detentos foram executados dentro do Compaj , a maior prisão amazonense. O episódio se tornou a maior carnificina registrada em prisões brasileiras desde o massacre do Carandiru, em 1992.

O deficit de vagas nas cadeias do País cresceu nos últimos anos, passando de 250 mil para 336 mil vagas a menos do que o necessário. Já a taxa de presos por grupo de 100 mil habitantes subiu entre o fim de 2014 e junho de 2016 no Brasil. Se antes havia 306 presos a cada 100 mil brasileiros, hoje esse número já é de 353 indivíduos.

Quem são nossos presos?

Ainda segundo o estudo do Depen, a maioria dos presos brasileiros (55%) é formada por jovens, com idades entre 18 e 29 anos; e por negros, que representam incríveis 64% do total de presos. A baixa escolaridade também reina nas cadeias do País: três em cada quatro presidiários não chegou a concluir o ensino médio, e menos de 1% dos presos possui formação no ensino superior.

Apenas 5,8% do total dos presidiários do Brasil são mulheres (pouco menos de 46 mil detentas). Desse contingente feminino, 62% das prisões está relacionada ao tráfico de drogas – quando levados em consideração somente os homens presos, essa taxa é de 26%.

Leia também: MPF pede que prova obtida por meio de revista íntima seja considerada ilícita

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-12-08/presos-brasil.html