Às vésperas do Enem, polícia desarticula 'máfia dos concursos' em Goiás e no DF

Investigação aponta que, só em 2016, esquema movimentou o recebimento de R$ 1 milhão em propina; quem pagou para passar também deve ser preso
Foto: Divulgação
Polícia acredita que haja beneficiários do esquema que fraudava concursos públicos em todo o Brasil

As polícias civis do estado de Goiás e do Distrito Federal deflagraram, na manhã desta segunda-feira (30), uma operação contra 33 suspeitos de integrar um esquema de fraude em concursos públicos.

Leia também: PF faz operação em SP contra grupo que fraudou ao menos 14 concursos públicos

Chamado de 'máfia dos concursos', o esquema fraudava provas de diversos concursos públicos e planejava atuar no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será aplicado nos próximos domingos, 5 e 12 de novembro.

Entre os alvos, 15 são de Brasília e 18 de Goiânia . Na capital de Goiás, as ações são comandadas pelo titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Dercap), Romulo Matos.

Entre os alvos da investigação, está um ex-funcionário do então Centro de Promoção e Seleção de Eventos (Cespe) – atualmente renomeado para Cebraspe. Segundo a TV Globo , ele é apontado como um dos lideres do grupo especializado em fraudar provas.

Esse mesmo funcionário teria movimentado, só no ano passado, o recebimento de mais de R$ 1 milhão em propina, pagos por candidatos que desejavam passar em concursos. Demitido neste ano, esse líder da quadrilha foi intimado e ajudou a polícia a seguir com as investigações.

Ainda segundo a polícia, esse funcionário agiu desde 2013 e ajudou mais de cem pessoas a passarem em concursos, por meio do esquema. Além do Enem, concursos de delegados de polícia também foram fraudados. 

Leia também: Quadrilha que fraudava concursos públicos é presa durante prova no MS

Identificadas, essas pessoas envolvidas serão presas e irão responder por formação de organização criminosa, fraude a certame licitatório, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, em alguns casos.

Operação Panoptes

Ao todo, os policiais cumprem cinco mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária, além de oito conduções coercitivas. A Justiça também autorizou buscas em 16 endereços ligados aos suspeitos em Goiânia e em cinco regiões do DF .

Essa é a segunda fase da Operação Panoptes. A primeira foi deflagrada em agosto deste ano.

O nome da Operação Panoptes tem como referência um gigante de cem olhos da mitologia grega, pois seriam necessários muitos olhos para ficar atento às fraudes em concursos públicos.

Leia também: Médico se declara negro e passa em 1º lugar em concurso público

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-10-30/mafia-concursos-publicos.html