A suspeita é de represália pelo aumento recente da Parque Nacional. O incêndio consumiu 22% de sua área total, até esta terça-feira (24)

Avião é usado no combate ao incêndio, considerado criminoso
ACMBio/Fernando Tabagiba
Avião é usado no combate ao incêndio, considerado criminoso

O incêndio que atinge o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, foi criminoso, de acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade  (ICMBio), que gerencia a reserva. As suspeitas da população local são de que o incêndio foi iniciado por fazendeiros da região, em represália à recente ampliação da área do parque. Até esta terça-feira (24), as chamas já consumiram 22% do parque,  sete por cento a mais do que registrado na segunda (23).

“Não há a menor dúvida de que o incêndio é criminoso”, afirma Fernando Tatagiba, analista ambiental do ICMBio. No período de seca e sem raios, somente a ação humana poderia iniciar a combustão, de acordo com ele. “Temos certeza do local de origem, que foi às margens da GO-118, que liga Brasília ao Tocantins, numa área chamada Pouso Alto. Quem colocou fogo ali conhece a dinâmica do vento e do fogo”, completa o chefe do parque.

Mais de 200 pessoas combatem o fogo, entre voluntários e oficiais, incluindo membros do Corpo de Bombeiros de Goiás e Distrito Federal, do Ibama PrevFogo, da Polícia Rodoviária Federal, além do próprio parque.

O trabalho conta também com quatro aviões air tractor e três helicópteros, além de equipamentos turbo sopradores. A partir desta quarta-feira (25), os trabalhos devem contar com um Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), que irá ajudar a despejar água nas chamas. Mesmo assim, a esperança da equipe é a de que alguma chuva ocorra logo na região.

Nas redes sociais, ativistas pedem ajuda. A página “Rede contra fogo - Chapada dos Veadeiros”, por exemplo, pede em uma publicação doações para “alimentação e custos operacionais” de quem está lutando contra o fogo. Em outra, mostra uma vista aérea do fogo avançando.


Artistas como Mateus Solano, Gisele Bündchen e Jesus Luz, também publicaram vídeos e fotos pedindo a atenção e ajuda no combate ao fogo. Bündchen usou o Instagram para fazer campanha para arrecadar doações. Já Mateus Solano fez um vídeo: “Se o cerrado secar, o Brasil seca. É burrice desmatar”, declara. “Por favor, vamos fazer pressão, vamos divulgar isso”, completa.


A Nasa publicou fotos de satélite que mostram o antes e depois do incêndio. Os pontos vermelhos representam as chamas ativas e a porção marrom da imagem, a área atingida.

Imagens de satélite mostram a devastação após o incêndio na Chapada dos Veadeiros.
Reprodução/Nasa
Imagens de satélite mostram a devastação após o incêndio na Chapada dos Veadeiros.

O fogo começou no dia 12 de outubro e obrigou o parque a ficar fechado para visitação durante o feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida. Ele foi reaberto no dia 17,  mas fechado novamente na quinta-feira, dia 19.

Com o avanço do incêndio, o município de Alto Paraíso de Goiás, onde parte do parque fica localizado, decretou estado de emergência na manhã desta segunda-feira (23).

Aumento do parque

A Chapada dos Veadeiros , que fica no estado de Goiás, é tombada pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade. Fundado em 1961, com 265 mil hectares, o parque sofreu sucessivas reduções de tamanho até chegar a 65 mil hectares, cerca de 10% da área original.

Após anos de pressão de ambientalistas e da sociedade civil, o presidente Michel Temer decretou o aumento do parque para 240 mil hectares em área contínua.

Leia também: Polícia Civil investiga pichação e cartazes nazistas em Blumenau

*Com informações da Agência Brasil e da Nasa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.