Oitava criança vítima de tragédia em creche é enterrada em Janaúba

Aos 4 anos, Talita Vitória Bispo chegou a ser resgatada com vida da creche, mas acabou morrendo ontem no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte
Foto: REPRODUÇÃO/WHATSAPP
Nas redes sociais, fotos mostram pais resgatando suas crianças na saída da creche Gente Inocente em Janaúba

A oitava criança a morrer após a tragédia que deixou pelo menos dez mortos na creche Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, em Janaúba , Minas Gerais, na última quinta-feira (5), está sendo enterrada neste domingo (8), no Cemitério São Lucas, na mesma cidade mineira.

Talita Vitória Bispo, de 4 anos, chegou a ser resgatada com vida da creche Gente Inocente , mas não resistiu aos ferimentos. Com queimaduras nas vias áreas, Talita foi transferida na manhã deste sábado (7) da Santa Casa de Montes Claros, no norte do estado, para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, referência em queimaduras, mas morreu pela tarde.

Além de Talita, Matheus Felipe Rocha Santos, de 5 anos, foi transferido de Montes Claros para a capital mineira em estado grave. Ele está sendo tratado no local.

Altas hospitalares

Todas as 18 crianças vítimas do incêndio, que estavam no Hospital Fundajan, em Janaúba, receberam alta hospitalar neste sábado (7). Deste grupo, 16 estavam internadas e 2 em observação. Outras duas pessoas, um adulto e uma criança, seguem internadas em situação estável no Hospital Regional de Janaúba.

Leia também: Crianças sobreviventes de incêndio em creche recebem alta em Janaúba

Os demais feridos estão internados em hospitais de Montes Claros e    Belo Horizonte. Em nota, a prefeitura de Janaúba  afirmou ter disponibilizado quatro unidades do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) para prestar assistência médica, psicológica e social para as vítimas e seus familiares.

Incêndio criminoso 

Segundo autoridades policiais e a prefeitura de Janaúba, o incêndio foi provocado por um segurança da creche.

Damião Soares dos Santos estava sofrendo de um problema de saúde – de acordo com a polícia, ele sofria de depressão – e estava afastado do cargo. Ele foi à escolinha de manhã para entregar um atestado médico.

Dentro da creche, ele jogou gasolina no corpo e em algumas crianças, depois ateou fogo. Ele saiu vivo da escola, com 90% do corpo queimado, e morreu no hospital três horas depois do ataque.

Além dele e das oito crianças, a professora Helley Abreu Batista também acabou morta na tragédia, que deixou outras 40 vítimas feridas na creche Gente Inocente. Antes de morrer, Helley salvou algumas crianças do fogo, mas acabou com 90% do seu corpo incendiado e não resistiu aos ferimentos.

Leia também: Professora que morreu em ato heroico em Janaúba havia perdido um filho afogado

* Com informações da Agência Brasil.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-10-08/vitima-gente-inocente-enterrada.html