Fogo foi provocado por um vigia que trabalhava no local; ao menos quatro crianças e uma professora da creche morreram queimados, além do agressor

Nas redes sociais, fotos mostram pais resgatando suas crianças na saída da creche em Janaúba
REPRODUÇÃO/WHATSAPP
Nas redes sociais, fotos mostram pais resgatando suas crianças na saída da creche em Janaúba

O presidente da República, Michel Temer , lamentou a morte de quatro crianças e de uma professora, vítimas fatais de um incêndio criminoso ocorrido na manhã desta quinta-feira (5), em uma creche em Janaúba , no norte de Minas Gerais. 

“Lamento imensamente essa tragédia com as crianças em Janaúba, Minas Gerais. Eu, que sou pai, imagino que deve ser uma perda dolorosa”, afirmou o presidente, sobre as crianças que foram queimadas até a morte após o ataque de um vigia que trabalhava na creche .

O presidente disse esperar que tragédias como essa não ocorram mais no Brasil e afirmou que é preciso repudiar com ações esse tipo de violência. Ele comentou ainda que o mundo está “ convulsionado ”.

“Quero expressar minha solidariedade às famílias, lamentar esse acontecimento, esperar que essas coisas não se repitam no Brasil, porque o mundo está muito convulsionado e, convulsionado como está, muitas e muitas vezes ocorrem os mais lamentais acontecimentos", disse ele. "Este é um lamentável acontecimento, e temos que repudiar com nossa consciência e com nossa ação”.

Leia também: Criança é encontrada dentro de cela de pedófilo acusado de estupro no Piauí

Temer fez os comentários ao falar com a imprensa depois de participar de cerimônia em Belém, no Pará. 

Incêndio criminoso

Segundo autoridades policiais e a prefeitura de Janaúba, o incêndio foi provocado por um segurança da Creche Municipal Educacional Infantil Gente Inocente, que fica no bairro Rio Novo. Além das vítimas fatais, o incêndio deixou ainda vinte feridos, sendo sete em estado grave.

O autor do incêndio, identificado como Damião Soares dos Santos, de 50 anos, estava sofrendo de um problema de saúde – de acordo com a polícia, ele sofria de depressão – e estava afastado do cargo. Ele foi à escolinha de manhã para entregar um atestado médico.

Dentro da creche, ele jogou gasolina no corpo e em algumas crianças, depois ateou fogo. Ele saiu vivo da escola, com 90% do corpo queimado, e morreu no hospital. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o incêndio ocorreu por volta das 9h40. Oito viaturas e dois helicópteros foram usados no atendimento às vítimas.

Leia também: Escola desaba com terremoto no México e deixa mais de 30 crianças mortas

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.