Corporação diz que a rebelião foi motivada por conflito entre membros de facções criminosas; 210 presos foram indiciados por participação nos crimes

Segundo a Polícia Civil, massacre  foi provocado por briga entre facções criminosas
Reprodução
Segundo a Polícia Civil, massacre foi provocado por briga entre facções criminosas

A Polícia Civil do Amazonas concluiu nesta semana o inquérito que apurou as mortes de 56 presos no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), em janeiro. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (1°), a corporação anunciou que 210 presos foram indiciados por envolvimento no massacre.

Leia também: Justiça nega suspensão temporária de travessias entre Salvador e Mar Grande

De acordo com o inquérito da Polícia Civil , a rebelião começou por volta de 16h, no primeiro dia do ano, quando alguns detentos do pavilhão 3, entre eles membros da facção criminosa FDN (Família do Norte), renderam agentes e trocaram tiros com policiais militares em uma área da unidade prisional, chamada de “Seguro”.

Nesse local ficavam os presos considerados vulneráveis e alguns membros de outra facção, o PCC (Primeiro Comando da Capital). A conclusão do inquérito é de que as mortes no Compaj ocorreram por rivalidade entre a FDN e o PCC.

“Nós temos nos autos temos relatos de testemunhas oculares informando que foi lida uma carta em reunião, dentro de uma das celas, determinando, de forma bem orquestrada, como se daria o massacre. A partir da última visita daquele dia, eles entrariam em campo, invadiriam a portaria e fariam reféns para que não houvesse o controle estatal e começariam a chacina propriamente dita”, explicou a delegada Emília Ferraz.

Investigação

A equipe de investigação realizou perícias no local e exames de necropsia e de DNA nos corpos. Imagens captadas pelas câmeras do circuito interno do presídio também foram analisadas. Além disso, de acordo com o delegado-geral adjunto da instituição, Ivo Martins, 350 pessoas foram ouvidas.

Leia também: Homem nu protagoniza briga com facão em plena Rua 25 de Março

“O conjunto fático de inquéritos trabalha com várias situações, 210 foram indiciados, mas a gente ouviu vítimas de constrangimento, tortura e outros tipos de procedimentos. Ouvimos agentes de ressocialização que trabalharam naquela situação e autoridades em relação a isso. Enfim, uma gama muito grande de informações que obtivemos, testemunhais, de detentos, até dos indiciados, informações sigilosas e confidências de algumas pessoas, inclusive de outros estados, que nos fez compreender como esse evento fatídico ocorreu naquele dia”, contou Martins.

A investigação apontou que, além da rivalidade entre as duas facções, havia provocações em relação aos familiares dos detentos. “É bom ressaltar que outra motivação era o comportamento dos presos do PCC dentro do sistema prisional. Em várias oitivas, inclusive de agentes de ressocialização e de autoridades, ficou bem claro que eles faziam chacotas com os presos da FDN. Não obstante a rivalidade, uma motivação muito forte que todos eles apresentaram era essa, o comportamento dos internos do PCC em relação aos familiares e presos da FDN”, completou Emília Ferraz.

A rebelião no presídio foi coordenada por dois detentos conhecidos como "Maguila" e “Caroço”, que foram transferidos no dia 11 de janeiro para presídios federais juntamente com outros 15 presos. A ordem do massacre partiu do líder da FDN, José Roberto Fernandes Barbosa, o “Zé Roberto da Compensa”, que cumpre pena em um presídio federal em Campo Grande.

Leia também: Governo do Ceará terá de pagar indenização a filho de detento morto em presídio

O inquérito da Polícia Civil sobre o massacre tem 2.600 páginas e será enviado à Justiça na próxima segunda-feira (4).


* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.