Dando continuidade às frequentes operações de larga escala de combate ao tráfico, desta vez a ROTA entrou na Comunidade do Moinho, centro de SP

Policiais de ROTA fazendo uma abordagem
foto: Major PM Luis Augusto Pacheco Ambar
Policiais de ROTA fazendo uma abordagem

O Problema do tráfico de drogas na cracolândia deve ser atacado de várias formas. A principal, mais óbvia, mais barata e duradoura, é de exclusiva responsabilidade dos nossos políticos: criar programas sociais de acolhimento, tratamento e reintegração do usuário na sua família e na sociedade. Enquanto isso não acontece, a única solução disponível para a população se proteger dos traficantes, verdadeiros terroristas urbanos, é recorrer a um número composto por três dígitos: 190, o telefone de emergência da Polícia Militar, e no caso desta reportagem, da ROTA. 

Leia também: Um dia na vida de um Policial de ROTA

Há algumas semanas, usando tecnologia de inteligência e de denúncias anônimas, Policiais de ROTA deram início a execução de operações de grande porte para desarticular a logística de movimentação, estoque e distribuição de drogas em São Paulo. Ao contrário das patrulhas regulares da ROTA, feitas por uma viatura em que o Policial mais graduado costuma ser um Sargento, estas novas operações de saturação possuem alvos de interesse previamente conhecidos e estudados, e sua execução é feita com o uso de múltiplas viaturas e dezenas de Policiais, incluindo oficiais de alta patente.

Nesta terça-feira (28) o alvo foi um centro de distribuição de drogas para a cracolândia, localizado na Comunidade do Moinho, centro de São Paulo. Um outro objetivo da ROTA, sempre presente em qualquer operação, é demonstrar para os criminosos que, ao contrário de outras capitais brasileiras onde a Polícia não pode ir, em São Paulo a PM acessa qualquer parte da cidade, quando quiser.

Leia também: Equoterapia: Tratamento de primeiro mundo oferecido gratuitamente pela PM

Para esta operação a ROTA saiu num comboio composto por 14 viaturas e 56 Policiais, incluindo Majores, Capitães, Tenentes e o próprio Comandante do Batalhão Tobias de Aguiar. O objetivo era o de atuar na fonte de fornecimento de drogas para a cracolândia. Durante a operação, dois suspeitos foram presos, uma motocicleta furtada foi recuperada, dezenas de porções de cocaína, prontas para serem entregues e vendidas na cracolandia foram apreendidas, assim como uma escopeta calibre 12 e um celular.

Operação Comunidade Moinho - Dezenas de porções de cocaína, que seriam enviadas para a cracolândia, apreendidas pela ROTA com um celular que será analisado pela área de inteligência da PM
PM/Divulgação
Operação Comunidade Moinho - Dezenas de porções de cocaína, que seriam enviadas para a cracolândia, apreendidas pela ROTA com um celular que será analisado pela área de inteligência da PM
Operação Comunidade Moinho - Escopeta calibre 12, com cano serrado, apreendida pela ROTA
PM/Divulgação
Operação Comunidade Moinho - Escopeta calibre 12, com cano serrado, apreendida pela ROTA
Operação Comunidade Moinho - Motocicleta furtada foi recuperada
PM/Divulgação
Operação Comunidade Moinho - Motocicleta furtada foi recuperada

Um suspeito, ao ver os Policiais de ROTA, correu e invadiu uma pequena residência que estava ocupada por uma mãe e seu filho de 10 anos. O suspeito se recusou a se entregar e abriu fogo com um evolver calibre 38. Com a mãe e a criança fora da residência, os PMs revidaram os disparos. O atirador foi socorrido, mas morreu no carro de resgate, a caminho do hospital. Nenhum morador da Comunidade do Moinho e nenhum Policial se feriu.

Leia também: Comandos e Operações Especiais - Conheça a tropa de elite da Polícia Militar/SP

Vale lembrar que há poucos dias, em operações de saturação idênticas a esta, feitas nas Comunidades Alba e Nhocuné, a ROTA prendeu 5 suspeitos, apreendeu dezenas de quilos de maconha e cocaína, dinheiro, contabilidade dos criminosos e até uma metralhadora e munição, sem efetuar nenhum disparo. Na ação de ontem, na Comunidade do Moinho, o suspeito que fugiu e invadiu a casa, cometeu o erro fatal de disparar uma arma de fogo contra a Polícia, que seguindo protocolos legais, neutralizou o agressor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.