Além da multa aplicada ao infrator e a apreensão dos balões, nova medida da Polícia Ambiental é apreender os veículos utilizados na ação criminosa; veja

A Polícia Militar Ambiental  realizou uma grande ação para combater baloeiros na região metropolitana de São Paulo e Campinas, bem como entorno dos aeroportos Cumbica, Congonhas e Viracopos. A Operação Balão desse domingo (18) resultou em prisões, apreensão de veículos utilizados no crime e de material que seriam usados na prática criminosa. 

Leia também: Polícia Militar Ambiental apreende balão no momento da soltura e evita crime

Polícia Militar Ambiental realiza Operação Balão no Estado
Divulgação
Polícia Militar Ambiental realiza Operação Balão no Estado

Segundo o Tenente Sukaiti, a operação é fruto de monitoramento constante da Polícia Militar Ambiental e contou com o apoio de nove viaturas e 22 agentes Policiais. "Monitoramos locais que podem ser possível a soltura de balões e fazemos monitoramento constante para inibir a prática da ação", informou ele. 

A megaoperação ocorreu em pontos distintos da capital paulista.  No Jardim Iguatemi, na zona leste, um homem foi preso ao transportar um balão em seu automóvel. “Ele foi parado, preso, o balão foi apreendido, assim como o carro, pois entendemos que o veículo era utilizado para a prática ilegal”, explicou ao IG, o Tenente Sukaiti. Foi informado ainda pelo Policial que um balão foi recuperado pela equipe após cair na região, porém ninguém foi preso neste caso.

Na região do São Matheus, também na zona Leste de São Paulo de São Paulo, um balão de  15 metros foi recuperado pelos agentes da Polícia Militar Ambiental após cair em uma mata, próximo ao Jardim Santo André. “No local mais de 200 pessoas corriam para tentar resgatar o balão, porém um de nossos agentes pegou o artefato que ainda estava com a tocha acesa”, afirmu o Tenente. O resultado dessa ação foram três presos.

Leia também: ROTA aplica mais um pesado revés nos traficantes de drogas

Vídeo mostra a ação dos políciais: 


Na zona sul de São Paulo, uma pessoa foi presa e um balão resgatado pelos agentes. Em Guarulhos, um balão caiu em uma residência e, no local, um homem e um menor de idade que tentavam resgatar o artefato foram detitos e levados para delegacia. “É uma região próxima a um aeroporto e um balão é capaz de derrubar um avião", disse o Tenente.

Em Campinas, no anterior de São Paulo, equipe da Polícia Militar Ambiental faz uma ação para fechar uma fábrica de balões. “Ainda não temos o resultado da ação, mas foi descoberta uma fábrica do artefato”, explicou o Policial.

Durante a operação, as equipes da Polícia Militar Ambiental detiveram oito pessoas, sendo um menor de idade, fecharam uma fábrica, apreenderam sete balões, dois veículos e uma motocicleta. Foram aplicadas multas aos infratores que totalizaram a quantia de R$40.000,00 ao todo, R$5.000,00 para cada um.

Veja galeria de fotos da ação da Polícia Militar Ambiental:


Perigos dos balões

A fabricação e comercialização clandestina de balões representa múltiplos riscos para a sociedade, a começar pela aviação. Balões ilegais são um verdadeiro pesadelo para os pilotos, podendo causar desde colisões até a necessidade de efetuar manobras evasivas abruptas, causando interrupção e atrasos de pousos e decolagens.

Balões ilegais também são grandes agressores da população que esta no solo, causando todo tipo de problemas, a começar pela interrupção no fornecimento de energia elétrica. É mais comum do que se imagina, esses artefatos incendiários caírem sobre cabos condutores das linhas de transmissão e de distribuição de eletricidade, e até mesmo dentro de subestações, causando curtos-circuitos e incêndios, e tendo como consequência a interrupção de energia em uma grande área da cidade.

Do ponto de vista ambiental, os balões são um dos seus piores inimigos, com grande potencial ofensivo. Ao cair em matas e florestas o incêndio é praticamente garantido, causando destruição não apenas a flora, mas também colocando em risco o habitat e vida de animais.

Além disso, os balões não tripulados também causam danos ao patrimônio público e privado ao cair sobre edificações e causar incêndios. Para piorar essa situação, verdadeiros bandos de criminosos invadem residências, pulam muros e sobem em telhados para conseguir "troféus" e recuperar partes dos balões. Segundo a Polícia, esses bandos são verdadeiras quadrilhas organizadas que, não raramente, portam armas de fogo colocando em risco a vida do cidadão de bem.

Leia também: Sem descanso, Rocam esmaga a criminalidade em São Paulo


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.