Ao menos 500 manifestantes quebraram vidraças e ocuparam local; Em SP, Superintendência Regional do INSS também é invadida durante protestos

Cerca de 500 integrantes do Movimento de Trabalhadores Sem-Teto invadiram sede do Ministério da Fazenda
MTST/Facebook
Cerca de 500 integrantes do Movimento de Trabalhadores Sem-Teto invadiram sede do Ministério da Fazenda

Integrantes de movimentos rurais invadiram durante a madrugada desta quarta-feira (15) a sede do Ministério da Fazenda, em Brasília. A invasão promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto  (MTST) e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) faz parte da série de atos promovidos por movimentos sociais em protesto contra a reforma da Previdência, que está sendo analisada pela Câmara dos Deputados .

Os invasores quebraram vidraças do prédio do Ministério. Segundo a Polícia Militar, há cerca de 500 manifestantes no loval, alguns acompanhados de crianças. Para os líderes do MTST , no entanto o protesto reúne 1.500 pessoas.

Em São Paulo, um grupo de mulheres também ligado ao Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto invadiu a Superintendência Regional do INSS, localizado no Viaduto Santa Ifigênia, região central da capital paulista. O grupo pendurou faixas em protesto contra a mudança nas regras para a aposentadoria e contra o presidente Michel Temer.

Dia de paralisação

As manifestações desta quarta-feira foram organizados pelas centrais sindicais , além de movimentos como CUT, CTB, CNTE, Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. Centros estudantis participam, tais como o diretório acadêmico da USP, que já deram início a manifestações às 6h desta quarta-feira.

Além de metroviários e motoristas de ônibus, também participam bancários, químicos, metalúrgicos, estudantes e professores. Os protestos devem ocorrer ao longo de todo o dia, especialmente nas capitais e em Brasília.

Leia também: Caso Eduardo Cunha na reta final: entenda ponto a ponto ação contra ex-deputado

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.