De acordo com o Coronel Sardilli, o artefato representa muitos riscos para o meio ambiente e também poderia derrubar um Airbus em caso de choque

Policiais do 1º Batalhão da Polícia Militar Ambiental de São Paulo detiveram seis pessoas na manhã deste domingo (19) após um balão de aproximadamente 50 metros cair sobre seis residências no Jardim dos Oliveiras, em Campinas.

Leia mais: Polícia Militar Ambiental faz Operação Balão em São Paulo

A equipe da Polícia Militar Ambiental prendeu seis suspeitos na manhã deste domingo em Campinas
Reprodução/TV Globo
A equipe da Polícia Militar Ambiental prendeu seis suspeitos na manhã deste domingo em Campinas

Os agentes da Polícia Militar Ambiental  acompanharam o balão,  que caiu na rua Walter Teixeira Virgili. Durante a queda, o balão derrubou um poste de energia e a antena de uma das residências atingidas. Os próprios moradores iniciaram o combate ao fogo até que o Corpo de Bombeiros chegasse ao local. De acordo com a polícia ninguém ficou ferido na ocorrência. 

"Há balões grandes, mas esse realmente é um dos maiores que já vi. Para ele voar, exige-se um projeto característico de grupos especializados. Considerando que esse grupo organizado comete crime ao construir, transportar e soltar, podemos chamar isso de quadrilhas especializadas que colocam em riscos toda a população. Imagine um avião batendo nisso.", afirmou o Coronel Sardilli quando perguntado se esse era o maior balão que tinha visto na carreira.

Leia mais: Polícia Militar Ambiental de SP celebra 100% de digitalização de seus processos

Os seis homens responsáveis pelo artefato foram detidos enquanto tentavam recuperar o balão, que foi apreendido pelos policiais.  Os seis suspeitos terão que pagar uma multa de R$ 7.500 cada.

Os homens foram apresentados no plantão do 1º Distrito Policial para averiguação e foram liberados. O balão foi apreendido com cangalha e uma boca. Uma moto e um carro que estava com os homens também foram levados pela Polícia Militar.

Entenda melhor os perigos dos balões ilegais

A fabricação e comercialização clandestina de balões representa multiplos riscos para a sociedade, a começar pela aviação. Balões ilegais são um verdadeiro pesadelo para os pilotos, podendo causar desde colisões até a necessidade de efetuar manobras evasivas abruptas, causando interrupção e atrasos de pousos e decolagens.

Balões ilegais também são grandes agressores da população que esta no solo, causando todo tipo de problemas, a começar pela interrupção no fornecimento de energia elétrica. É mais comum do que se imagina, esses artefatos incendários cairem sobre cabos condutores das linhas de transmissão e de distribuição de eletricidade, e até mesmo dentro de subestações, causando curto-circuitos e incendios, e tendo como conseqüência a interrupção de energia em uma grande área da cidade.

No momento da queda o balão pegou fogo, mas o princípio de incêndio foi combatido pelos próprios moradores
Divulgação/Polícia Militar
No momento da queda o balão pegou fogo, mas o princípio de incêndio foi combatido pelos próprios moradores

Do ponto de vista ambiental, os balões são um dos seus piores inimigos, com grande potencial ofensivo. Ao cair em matas e florestas o incendio é praticamente garantido, causando destruição não apenas a flora, mas também colocando em risco o habitat e vida de animais.

Além disso, os balões não tripulados também causam danos ao patrimonio publico e privado ao cair sobre edificações e causar incendios. Para piorar essa situação, verdadeiros bandos de criminosos invadem residencias, pulam muros e sobem em telhados para conseguir "troféus" e recuperar partes dos balões. Segundo a Polícia, esses bandos são verdadeiras quadrilhas organizadas que, não raramente, portam armas de fogo colocando em risco a vida do cidadão de bem.

Leia Mais: Polícia Militar Ambiental atua para afastar balões de aeroportos em São Paulo

Para a Polícia Militar Ambiental, a principal missão é apreender os balões ainda na fase de confecção, o melhor momento para reprimir o crime, evitando a situação que ocorreu na semana passada quando um balão passou perto de um avião comercial que se preparava para pousar no aeroporto de Cumbica em São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.