Tamanho do texto

Instituto Técnico alugou câmara frigorífica para alojar os 26 mortos em rebelião na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte

Para agilizar a identificação dos detentos mortes durante rebelião ocorrida na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia da Floresta, na região metropolitana de Natal, o Instituto Técnico-Científico de Polícia do Rio Grande do Norte (Itep-RN) está montando uma força-tarefa.

+ Governos estudam aumentar efetivo da Força Nacional em RN, diz secretário

Penitenciária de Alcaçuz, onde rebelião ocorrida no sábado deixou ao menos dez mortos, sofre com fugas frequentes
Divulgação/PMRN
Penitenciária de Alcaçuz, onde rebelião ocorrida no sábado deixou ao menos dez mortos, sofre com fugas frequentes


A primeira estimativa era de que 10 detentos teriam morrido durante a rebelião de sábado (14) e até às 13 horas deste domingo (15). Porém, depois que a polícia conseguiu conter totalmente a rebelião e a checagem dos detentos começou a ser feita, o governo do Rio Grande do Norte confirma 26 mortos após o motim. 

Se antecipando sobre a possibilidade de um número maior de vitimas, o Itep-RN alugou um contêiner frigorífico para armazenar os corpos que chegarem de Alcaçuz. O instituto dispõe de duas câmaras frias com capacidade de armazenar entre 20 e 30 corpos, mas preferiu garantir mais espaço. O valor do aluguel não foi informado.

+ Rebelião em Alcaçuz: Governo afirma ter identificado seis responsáveis por motim

Durante coletiva de imprensa, os secretários estaduais da Justiça e da Cidadania, Walber Virgolino da Silva Ferreira, e da Segurança Pública e Defesa Social, Caio César Marques Bezerra, deixaram claro que esse número pode ser maior e que só após a recontagem dos presos e o fim da varredura nas celas e dependências da penitenciária o número exato será conhecido.

“Alugamos um contêiner frigorífico para refrigerar os corpos das possíveis vítimas, para que eles não se deteriorem e, assim, possamos fazer a identificação mais rapidamente”, disse o diretor-geral do Itep, Marcos José Brandão Guimarães, aos jornalistas.

Vítimas

Os corpos dos presos estão sendo trasladados diretamente da penitenciária para o Itep. Vinte e sete profissionais da instituição foram acionados e estão de prontidão para atuar conforme a necessidade. São peritos criminais, necropapiloscopistas, odontolegistas, assistentes sociais, psicólogos, fotógrafos forenses e motoristas. Além disso, Guimarães já conversou com os responsáveis pela Polícia Técnico-Científica da Paraíba, que se colocaram à disposição caso haja necessidade.

“A identificação é um processo que envolve cotejamento de informações. Vamos entrar em contato com a Secretaria de Justiça para obter as fichas prisionais e temos também o plantão no arquivo criminal do Itep”, acrescentou Guimarães.

Rebelião

Segundo o governo estadual, o motim teve início por volta das 17h desse sábado (14) e foi contido por volta das 7h30 deste domingo (15), depois que policiais entraram no complexo penitenciário. Ainda de acordo com o governo potiguar, a rebelião começou após uma briga entre presos ligados a facções criminosas rivais que cumpriam pena em diferentes pavilhões, sendo elas o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Sindicato do Crime RN.

+ Briga entre PCC e Sindicato do crime RN deixa mortos na penitenciária de Alcaçuz

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.