Tamanho do texto

De acordo com a PM, tudo começou com uma perseguição policial após uma tentativa de assalto a banco; 13 suspeitos foram detidos e vítima saiu ilesa

Uma senhora, de 54 anos, foi mantida como refém por uma quadrilha é especializada em roubo a banco
Reprodução/Globo News
Uma senhora, de 54 anos, foi mantida como refém por uma quadrilha é especializada em roubo a banco

Umasenhora de 54 anos foi feita refém por um grupo de criminosos, na manhã desta sexta-feira (18), em sua casa no Jardim João 23, na região da rodovia Raposo Tavares, na Zona Oeste da capital paulista. De acordo com informações da Globo News , até as 8h30, 13 suspeitos haviam sido detidos, 12 estava no imóvel e mais um estava na vizinhança.

LEIA TAMBÉM:  Homem é morto a tiros em dia de pânico em aeroporto nos EUA

A vítima não ficou ferida e disse que não foi ameaçada pelos criminosos . Ainda de acordo com a Globo News , mais de dez homens armados com fuzis entraram no imóvel, pela manhã, após uma perseguição policial na rodovia Raposo Tavares. Não há informações, porém de como os suspeitos entraram na casa.

Segundo a Polícia Militar (PM), a perseguição começou porque os bandidos tentaram assaltar uma agência do banco Santander, em Granja Viana, em Cotia, mas foram flagrados pela PM. Durante a perseguição, dois policiais foram baleados.

VEJA AINDA:  Homem é preso após manter mulher como refém em loja na Avenida Paulista

Após uma série de negociações, os criminosos se renderam e, por volta das 6h55, os primeiros suspeitos deixaram a casa. Pelo menos quatro suspeitos também acabaram baleados.

Ao todo, foram apreendidos seis fuzis e coletes à prova de balas. Os criminosos também usavam carros blindados. Segundo a Polícia Civil a quadrilha é especializada em roubo a banco e já era monitorada.

Outros casos de vítimas feitas reféns em São Paulo

Em setembro, uma mulher foi mantida refém pelo ex-namorado por mais de dez horas no bairro do Itaim Paulista, zona leste de São Paulo.

Patrícia, de 29 anos, foi resgatada por volta das 23 horas, numa operação policial que terminou com a morte do agressor.

A polícia decidiu entrar na casa onde ocorria o cárcere privado  após descobrir que o criminoso havia feito um vídeo e mandou aos amigos dizendo que a ex-namorada era uma traidora e que tinha a intenção de matá-la.

Foi possível ouvir um estrondo e gritos antes da intervenção da polícia. Patrícia foi encaminhada ao hospital Santa Marcelina, em Itaquera, e está ferida graças às agressões que sofreu do ex-namorado, mas passa bem. Dois policiais também ficaram feridos. Não há registro de outros criminosos envolvidos no caso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.