Operação é deflagrada em três estados (GO, PA e MS) e no Distrito Federal; estimativa é de que o grupo tenha movimentado mais de R$ 1 bilhão

Operação é considerada uma das maiores desenvolvidas pela PF nos últimos anos
José Cruz/Agência Brasil
Operação é considerada uma das maiores desenvolvidas pela PF nos últimos anos

A Polícia Federal (PF) deflagrou na madrugada desta sexta-feira (4) uma operação contra o tráfico internacional de drogas. O grupo é acusado de trazer drogas do Paraguai e distribuir em três estados – Goiás, Pará e Mato Grosso do Sul – e no Distrito Federal. A operação é considerada uma das maiores desenvolvidas pela PF nos últimos anos.

LEIA TAMBÉM:  PF defende operação no Senado e pede perícia em maletas antigrampo

Segundo a PF, uma das rotas do grupo era a região de fronteira de Pedro Juan Cabalero, no Paraguai. Foram apreendidas mais de 10 toneladas de drogas, armas de grosso calibre e carros de luxo.

O grupo abaixava os bancos dos carros, retirava todos os acessórios possíveis e carregava o carro com a droga, sem qualquer tipo de disfarce. Depois, saía dirigindo em alta velocidade, sem paradas e sem respeitar qualquer tipo de sinalização ou barreira policial. O objetivo era evitar perdas e chegar o mais rápido possível ao ponto de venda da droga. Por causa dessa prática, a operação foi batizada de "Cavalo Doido".

VEJA AINDA:  "Hipster da Federal" é alvo de processo disciplinar na PF

A estimativa é de que o grupo tenha movimentado mais de R$ 1 bilhão. A operação é realizada em conjunto com a polícia do Paraguai. Lá, está sendo feita a destruição das plantações de droga nas fazendas de propriedade dos traficantes.

Ao todo, são 81 medidas judiciais, sendo 21 mandados de prisão preventiva, 11 mandados de prisão temporária, 15 conduções coercitivas e 34 mandados de busca e apreensão.

Os investigados vão responder por tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico, corrupção ativa, tráfico internacional de armas, adulteração de arma de fogo e porte ilegal de armas. Somadas, as penas podem ultrapassar 30 anos.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.