Tamanho do texto

Valores são referentes a empreendimentos previstos e executados na capital paulista por meio do Programa de Aceleração do Crescimento do governo

Agência Brasil

Prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), reiterou a necessidade de serem liberados R$ 300 milhões em recursos
Wilson Dias/Agência Brasil/Fotos Públicas
Prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), reiterou a necessidade de serem liberados R$ 300 milhões em recursos

Em encontro realizado nesta quinta-feira (27) com o presidente Michel Temer, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), reiterou a necessidade de serem liberados, pelos ministérios das Cidades e do Turismo, R$ 300 milhões em recursos atrasados para obras na capital paulista. O mesmo pleito já havia sido feito na terça-feira (25) pelo prefeito eleito da cidade , João Doria Jr. (PSDB).

Os valores são referentes a empreendimentos previstos e executados por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). “Não estamos pedindo [recursos]. Trata-se de reembolsos de obras realizadas há muito tempo. Algumas delas há anos”, disse Haddad, após a reunião.

LEIA MAIS:  João Doria surpreende e é eleito prefeito de São Paulo no primeiro turno

No seu encontro com Temer, Doria Jr. disse que os atrasos totalizariam R$ 400 milhões. Mas, segundo Haddad, esses números  estão desatualizados. “De abril para cá já entrou uma parte [dos recursos]”, disse.

Do total reivindicado, R$ 180 milhões são de recursos que já estão depositados nas contas da prefeitura. “Precisamos ainda de um documento burocrático do Ministério das Cidades para que [o dinheiro] seja desbloqueado. Temer ligou para o Bruno Araújo [ministro das Cidades] e, pelo que soube, R$ 60 milhões foram desbloqueados ontem à noite”, disse Haddad.

LEIA MAIS: Justiça inocenta 14 réus no caso do acidente que matou sete no metrô de SP

Outros R$ 120 milhões são de recursos que estão empenhados desde 2013. “Tratam-se de restos a pagar do Ministério do Turismo”, disse o prefeito. Ele explicou que, nesse caso, a questão é orçamentária. “Eu disse ao Temer que era preciso liquidar esse empenho”, frisou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.