Surto de H1N1 obriga governo de SP a vacinação extra no noroeste do estado

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Só na região de São José do Rio Preto foram notificados 82 infecções pelo H1N1, configurando-se o surto epidêmico

Agência Brasil

Comunicado da Secretaria da Saúde do estado de São Paulo  esclareceu que a vacina a ser utilizada nessa campanha extra é a mesma da campanha de 2015
Thinkstock/Getty Images
Comunicado da Secretaria da Saúde do estado de São Paulo esclareceu que a vacina a ser utilizada nessa campanha extra é a mesma da campanha de 2015

Após detectar o surgimento de casos de gripe H1N1 na região de São José do Rio Preto, no noroeste paulista, a Secretaria da Saúde do estado de São Paulo decidiu iniciar, nesta quarta-feira (23), a vacinação antecipada contra o vírus em 67 cidades da região, objetivando imunizar 323,7 mil pessoas.

O público-alvo é o mesmo de campanhas anteriores do Ministério da Saúde: idosos, gestantes, profissionais de saúde, puérperas, crianças de 6 meses a 4 anos e pessoas com doenças crônicas. De um total de 388,5 mil pessoas inseridas nesse grupo de vulnerabilidade à infecção, o governo paulista espera vacinar 80% até o dia 8 de abril.

Entre as mais de seis dezenas de cidades listadas como parte do surto de H1N1 estão, além de São José do Rio Preto, Mirassol, Bálsamo, Adolfo, Cardoso, Monte Aprazível , Catanduva, Ibirá, Nova aliança, Santa Adélia e Votuporanga.

Por meio de nota, a diretora de imunização da secretaria, Helena Sato, destacou que “que quem tomar a vacina agora não estará desobrigado de também tomá-la durante a campanha nacional, que terá início no dia 30 de abril, uma vez que se tratam de vacinas diferentes, isto é, a composição que será utilizada durante a Campanha Nacional será diferente, uma vez que a composição pode mudar po causa dos vírus circulantes em cada ano”.

Campanha antecipada

O comunicado esclareceu que a vacina a ser utilizada nessa campanha extra é a mesma da campanha de 2015: composta pelos vírus A/California (H1N1), A/South Australia (H3N2) e B (Puket). Já na vacinação que ocorrerá no período da campanha nacional e que deverá proteger a população contra infecções mais comuns no inverno são relacionadas aos vírus A/California (H1N1), A/Hong Kong (H3N2) e B/Brisbane.

De acordo com a nota, em cumprimento do determinado pelo Ministério da Saúde são de notificação obrigatória no país apenas casos de gripe grave, caracterizados como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), independentemente do tipo.

De janeiro até 14 de março ocorreram no estado de São Paulo 191 casos de SRAG, dos quais 157 referiam-se ao vírus Influenza à variante do tipo A (H1N1). Do total de doentes, 27 acabaram morrendo, sendo 23 desses óbitos relacionados à contaminação pelo H1N1.

Só na região de São José do Rio Preto foram notificados 82 infecções pelo H1N1, configurando-se o surto epidêmico, conforme afirmou, por meio de nota, o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria Estadual da Saúde, Marcos Boulos. O infectologista justificou que a vacinação extra ocorrerá apenas na região pela grande concentração de notificações. “Dez dos 23 óbitos registrados também são da região”, afirmou Boulos.

Infecção por H1N1

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo informou que até 15 de março tinham sido registrados 35 casos de infecção por H1N1 na rede municipal, com quatro óbitos. O atendimento de doentes infectados por esse vírus também cresceu nos hospitais da rede privada.

Até quinta-feira (24) à tarde o Hospital 9 de Julho tinha registrado 15 pacientes, sendo um deles em fevereiro e o restante em março. A instituição informou que esse número pode crescer porque falta o resultado de cerca de 60 exames. Em 2014 e 2015 foram quatro casos confirmados, dois em cada ano.

Diante da demanda em alta de pacientes com síndrome gripal, o hospital reservou uma ala separada de atendimento, onde os doentes recebem máscaras.

No Pronto-Atendimento do Hospital Santa Catarina, na região da Avenida Paulista, desde janeiro até agora, aumentou em 700% a recepção de pessoas com suspeita de contaminação pelo vírus Influenza A, tendo aumentado em 2.100% as infeções por H1N1.

Entre as cidades listadas como parte do surto de H1N1 estão, além de São José do Rio Preto, Mirassol, Bálsamo, Adolfo, Catanduva, Votuporanga e outras
SXC
Entre as cidades listadas como parte do surto de H1N1 estão, além de São José do Rio Preto, Mirassol, Bálsamo, Adolfo, Catanduva, Votuporanga e outras

Ao longo de 2015 tinham sido notificados 298 casos de SRAG, dos quais 232 tiveram amostras coletadas. Destes, houve a confirmação de seis infecções por influenza A, sendo apenas um caso subtipado como de Influenza A – H1N1 (caso registrado no mês de dezembro-2015).

Variantes

De janeiro a 18 de março deste ano foram notificados 74 casos de SRAG, dos quais 68 coletaram amostras para pesquisa viral, sendo confirmados 24 do tipo Influenza A e 21 subtipado como de Influenza A - H1N1.

Para o infectologista Max Igor Lopes, do Hospital Santa Catarina, houve uma antecipação de casos mais transmitidos no período entre maio e começo de junho, quando, normalmente, há uma queda maior na temperatura. Ele lembrou que, no frio, as pessoas tendem a ficar mais agrupadas em locais fechados e isso favorece as transmissões. Segundo ele, este mesmo comportamento pode ter ocorrido nesse começo do ano, por causa do tempo mais chuvoso.

O médico esclareceu que o H1N1 é uma das duas variantes do vírus Influenza tipo A. Conforme o especialista, existem três tipos desse vírus (A,  B e C) e que na categoria do A podem ocorrer a infecção pelo H3N2 ou H1N1, sendo este último o que tem prevalecido. Com a característica de se desenvolver entre os vários tipos de animais, a doença ocorre, por exemplo, em aves, focas e porcos, “daí sua denominação de gripe suína”, acrescentou Max Igor Lopes.

Para Lopes, a dificuldade em combatê-la é que esse vírus tem grande capacidade de mutação genética e isso exige que o organismo da pessoa infectada se defenda com a criação de novos anticorpos.

De acordo com o infectologista, os sintomas apresentados pelo doente com H1N1 são bem parecidos com os que ocorrem em casos de dengue ou da gripe comum. O que difere são as dores intensas no corpo, cabeça e garganta, além da coriza. O diagnóstico preciso é feito por meio de sorologia ou análise laboratorial de secreções. “O grande problema é o risco de uma evolução para pneumonia”, concluiu o médico.

Leia tudo sobre: H1N1gripe suínasaúde

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas