Autorização da Justiça justifica migração ao regime aberto devido ao bom comportamento do jornalista na cadeia

Agência Brasil

O jornalista Pimenta Neves deixa sua casa em direção à carceragem 11 anos após o crime
Fernando Celescuekci/Futura Press
O jornalista Pimenta Neves deixa sua casa em direção à carceragem 11 anos após o crime

Assassino confesso da ex-namorada Sandra Gomide, o jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves passará a cumprir pena em casa depois de aproximadamente cinco anos nos regimes fechado e semiaberto.

De acordo com o juiz de direito da comarca de Bragança Paulista, Carlos Henrique Scala de Almeida, que assinou a decisão, Neves tinha bom comportamento e não praticou nenhuma infração penal desde o crime, o que o motivou a conceder a progressão do regime. O crime ocorreu em 2000, mas Neves só foi preso 11 anos depois, em 2011

“O delito imputado ao reeducando, ainda que gravíssimo, foi cometido em 2000 e, desde então, não há notícia da prática de qualquer outra infração penal. O reeducando, aliás, aguardou o julgamento em liberdade por longo período, entre os anos de 2000 e 2011, e não se envolveu em novos delitos”, justificou o juiz na decisão. “Não há nem mesmo notícia da prática de faltas disciplinares no estabelecimento prisional.”

Em maio de 2006, Neves foi condenado a 19 anos e dois meses de prisão pelo Tribunal do Júri de São Paulo. A defesa recorreu, e o Tribunal de Justiça de São Paulo reduziu a pena para 18 anos de prisão. Uma nova redução, para 15 anos, foi concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Neves e Sandra namoraram durante quatro anos. Em agosto de 2000, ele a matou a tiros, em um haras em Ibiúna, a 64 quilômetros de São Paulo, por não aceitar o fim do relacionamento. Na época do crime, ele tinha 63 anos e ela, 32. Os tiros foram disparados quando a jovem estava de costas.

Relembre crimes em família que chocaram o Brasil:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.