Pacientes e funcionários de unidade médica precisaram ser transferidos após fumaça invadir local, em Vicente de Carvalho

Ao menos 39 pessoas precisaram de atendimento médico até as 18h15 desta tarde
Divulgação/Corpo de Bombeiros
Ao menos 39 pessoas precisaram de atendimento médico até as 18h15 desta tarde

Ao menos 39 pessoas já precisaram de atendimento médico no litoral sul de São Paulo em decorrência da fumaça provocada por um incêndio de grandes proporções em um terminal portuário.

A informação foi confirmada às 18h15 desta tarde pela Secretaria de Saúde do Guarujá, cidade onde fica localizado o terminal da empresa Localfrio, foco inicial do incêndio. A empresa alega que o incidente ocorreu após a entrada de água da chuva em contêineres provocar a combustão de ácido de cloro isocianúrico de sódio.

Os pacientes que recebiam atendimento no Pronto-Socorro de Vicente de Carvalho precisaram ser transferidos do local por causa da fumaça tóxica que já começava a invadir a unidade. Eles foram transferidos, juntamente com as equipes e ambulâncias para a UPA Boa Esperança. 

Segundo a Prefeitura do Guarujá, nove vítimas de intoxicação estão recebendo tratamento com inalação de soro e lavagem ocular na UPA da Rodoviária. Nenhuma delas corre riscos maiores.

Veja fotos do incêndio no terminal de cargas em Vicente de Carvalho:

A Defesa Civil da cidade alerta para que todos aqueles que moram em um raio de até 100 metros do local deixem as suas casas. Caso alguém sinta irritação nos olhos, dificuldades ao respirar, tontura ou náuseas, a orientação é para que seja usado um pano seco, e não úmido ou molhado.

A Localfrio alega que a área foi imediatamente isolada e que todos os procedimentos de segurança foram adotados, inclusive com a retirada de contêineres que estavam próximos ao foco do incêndio. A empresa, no entanto, afirma que não há previsão para que as chamas sejam controladas.

A Prefeitura do Guarujá acionou o gabinete de gestão de crise para lidar com o incidente. Também foram mobilizados a Defesa Civil Estadual, o Corpo de Bombeiros, o Exército, e as secretarias de Saúde, Meio Ambiente, Governo e Defesa Social.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.