Objetivo da ação é mostrar à cidade de onde partiu a ofensa que o racismo ainda está bastante presente na sociedade

Os ataques sofridos no início do mês passado pela jornalista Maria Julia Coutinho, a Maju, provocaram comoção e milhares de mensagens de apoio na internet com a hashtag #SomosTodosMaju. Mas agora o apoio vem de fora da web, na forma de outdoors e busdoors em diversas cidades brasileiras viabilizados pela ONG Criola.

Relembre: Maju é alvo de racismo e Bonner diz: "No JN, o tempo é sempre bom com você"

Nos espaços publicitários, a organização que briga pela defesa e pelos direitos da mulher negra mostra uma série de comentários postados na página do Jornal Nacional, onde internautas fizeram ofensas gratuitas e gravísssimos contra a jornalista faz a previsão do tempo. Um serviço de geolocalização foi utilizado para mapear e mostrar de onde foram realizadas as infelizes postagens.

Outdoor em Feira de Santana (BA) mostra a ofensa gratuita de um dos moradores da cidade
Reprodução
Outdoor em Feira de Santana (BA) mostra a ofensa gratuita de um dos moradores da cidade














As cidades Americana (SP) e Feira de Santana (BA) já estão com outdoors devidamente instalados. Em Recife (PE), a campanha está circulando nos espaços publicitários dos ônibus municipais. A próxima cidade a ser abrangida, continuação de um esforço para tornar a campanha nacional, é Guarulhos (SP).

Fotos e nomes dos agressores foram intencionalmente preservados na campanha da ONG
Reprodução
Fotos e nomes dos agressores foram intencionalmente preservados na campanha da ONG




Para não gerar uma espécie de "caça aos racistas", a Criola decidiu por preservar identidade e imagens dos agressores virtuais. A intenção da ONG é mostrar que o racismo está muito presente na sociedade – e o quão próximo ele pode estar.

Veja também: Aluna da UnB cria projeto fotográfico para denunciar racismo



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.