Manifestantes fecham Avenida Paulista para pedir legalização da maconha

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a Polícia Militar, cerca de 4 mil pessoas saíram do Museu de Arte de São Paulo rumo ao Largo São Francisco

Agência Brasil

Cerca de quatro mil pessoas, segundo a Polícia Militar, ocuparam na tarde de hoje (23) uma das duas pistas da avenida Paulista. Elas participaram da Marcha da Maconha, que defende a liberação do uso da droga. Os manifestantes deixaram o vão-livre do Museu de Arte de São Paulo e caminharam até o Largo São Francisco, onde fica a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Leia: Sem diálogo, governos e professores vão à Justiça para encerrar greves

Em defesa da legalização da erva e para protestar contra prisões e mortes, envolvendo o que o movimento classifica de guerra às drogas, os manifestantes usavam faixas e cartazes entre outros objetos. Por meio de um trabalho artesanal de origami, feito em papel de seda, o grupo confeccionou um rolo de cerca de seis metros para simbolizar um cigarro de maconha aceso.

O evento em 33 cidades foi organizado por grupos que defendem a droga. O historiador Júlio Delmanto contou que o tema deste ano é pela liberdade de uso, legalização e contra as mortes. “A gente marchava para poder marchar, mas depois que o STF [Supremo Tribunal Federal] autorizou as manifestações a gente saiu da defensiva e nosso movimento cresceu muito”. Segundo lembrou, em 2011, o STF garantiu o direito de as pessoas se manifestarem em favor da legalização da droga. Para ele, a proibição das drogas é o que leva a violência.

Leia tudo sobre: marcha da maconhaavenida paulistaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas