“Família, escola e Estado falharam com suspeito de crime na Lagoa”

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Educadora analisa o papel omisso da família, escola e Estado como causa da construção de crimes cometidos pelo adolescente que já tinha 15 passagens pela polícia

BBC

Fundadora do projeto onde estudavam crianças mortas na chacina da Candelária, a educadora Yvonne Bezerra de Mello diz que a história do adolescente suspeito de matar a facadas um médico na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio, mostra como “a família, a escola e o Estado falharam”.

Yvonne de Mello é fundadora do projeto Uerê, que trabalha há 20 anos com crianças pobres
Arquivo pessoal
Yvonne de Mello é fundadora do projeto Uerê, que trabalha há 20 anos com crianças pobres

Jaime Gold, de 57 anos, foi morto quando andava de bicicleta na Lagoa Rodrigo de Freitas, em um caso que chocou o país.

O principal suspeito do crime, de 16 anos, tem 15 anotações em seu histórico criminal e já havia sido internado em instituições para adolescentes pelo menos nove vezes.

Segundo a imprensa local, ele abandonou a escola em 2013, só viu o pai duas vezes na vida e, aos dez anos, foi encontrado perambulando pelas ruas do bairro do Leblon à noite com fome e sem dinheiro para voltar para casa - sua mãe foi notificada por abandono de incapaz.

Após a última internação, que durou menos de um mês, no início deste ano - por furto de bicicletas na Zona Sul do Rio - foi encaminhado para uma instituição onde ficaria em semi-liberdade, mas acabou fugindo.

Yvonne, fundadora do Projeto Uerê, diz que a história do menino é um "retrato da falência do Brasil."

"Tudo falhou na vida dele, e é preciso perceber que parte da culpa também é nossa, é da sociedade", afirma. "A rua embrutece, torna a criança selvagem, a coloca em contato com a droga e gradualmente banaliza a violência e a morte”, completa.

Veja os principais trechos da entrevista:

Leia também: Morre médico esfaqueado enquanto andava de bicicleta na Lagoa

BBC Brasil – O Rio tem visto uma onda de esfaqueamentos e assaltos, muitos deles perpetrados por jovens e adolescentes. Quem são esses garotos? É possível traçar um perfil? Na sua experiência, o que leva um jovem a cometer crimes como estes?

Yvonne Bezerra de Mello - Estamos falando aqui de filhos de famílias onde invariavelmente falta o pai ou a mãe, e na minha escola, por exemplo, em 70% dos casos a ausência é paterna. São crianças criadas por tias, avós, parentes, pelos irmãos, e por mães negligentes, que muitas vezes consomem drogas, e que precisam sair para trabalhar, em geral como faxineiras em bairros da Zona Sul do Rio, o que as deixa praticamente o dia todo fora de casa.

São crianças que crescem num ambiente de violência constante. Dentro de casa é comum apanharem, e muito. Fora, há tiroteios e a banalização das agressões e da morte. Num dado momento, a frequência escolar, que já tende a ser irregular, vai a zero e elas abandonam a escola por completo. Aos 11, 12 anos, querem um tênis, uma roupa, ou precisam ajudar em casa. A maioria começa vendendo bala no trânsito, mas não raro percebem que roubar é mais rápido e lucrativo, e há também a influência de aliciadores e dos receptadores de celulares, cordões de ouro e bicicletas.

Há uma frustração. É pedir e receber não, é ver que o outro tem e você não. É ficar com migalhas, ser humilhado, violentado. Um dia essa série de nãos e portas fechadas tem um reflexo, que costuma ser negativo.

Após crescer com estas características, onde todos os mecanismos falharam, seja a família, a escola ou o Estado, e a violência é constante, é comum que na adolescência eles queiram sair de casa, e se isso se concretizar, com a migração para a rua, a coisa só piora. Chega o primeiro roubo, o primeiro dinheirinho, e começa um processo de embrutecimento, de se tornar selvagem. Esse jovem não vai matar logo de cara. São anos em contato com a violência que aos poucos viram um ciclo difícil de inverter. Há muita revolta, baixa autoestima, abandono, frustração. Ele não aguenta mais ficar em casa e acha que a rua e o crime serão a liberdade, mas é um equívoco. Aos poucos, matar também pode se tornar algo mais próximo da realidade deles, sobretudo com a influência da droga.

BBC Brasil - A senhora menciona “falhas”. Como a família, a escola e o Estado contribuem para este cenário negativo?

Yvonne - A responsabilidade da família, por mais desestruturada que seja, é garantir que essa criança esteja indo à escola, e protegê-la da violência ao menos dentro de casa. O papel da escola é se perguntar por que esse aluno parou de frequentar as aulas, ir atrás, investigar. O Estado tem assistentes sociais, que precisavam atuar junto a essas famílias. E após a primeira internação, o primeiro crime, as instituições têm a missão de recuperar, de ressocializar essa criança, esse adolescente.

Se todos esses mecanismos não falhassem, talvez esse menino não tivesse voltado a roubar, e o ciclo poderia ter sido interrompido."

Se todos esses mecanismos não falhassem, talvez esse menino não tivesse voltado a roubar, e o ciclo poderia ter sido interrompido. Estes atores falharam ao desempenhar seus papéis na sociedade, falharam ao impedir que algo problemático se agravasse mais ainda.

Leia mais: Assassinato de médico na Lagoa teria ocorrido em troca de turno de policiais

BBC Brasil - Mas desta forma não se está também isentando a responsabilidade do adolescente, que aos 16 anos tirou a vida de uma pessoa inocente?

Yvonne - Não estou passando a mão na cabeça, em momento algum. Não estou tirando a culpa do autor desse crime. Essa pessoa precisa ser identificada e punida, sem dúvida alguma. O que estou dizendo é que essas crianças e adolescentes são vítimas do sistema, de uma estrutura cruel que o Brasil tem. Veja o que aconteceu. Horas após o crime, a polícia encontrou uma casa repleta de bicicletas e facas. Se foi tão fácil encontrar, por que não fizeram isso antes, desmantelando os receptadores dessas mercadorias? Alguém sabia e não fez nada. É disso que estou falando. De omissão, de negligência, das falhas. É fácil penalizar e demonizar os que estão na rua, os infratores, mas a sociedade fez com que ele fosse para a rua. Nós também somos culpados. Precisamos sair do marasmo e de apenas cobrar resultados dos impostos pagos e fazer algo, de fato, para melhorar a sociedade.

BBC Brasil - O adolescente tinha 15 anotações criminais e ao menos nove internações em instituições para menores. Como são estes locais? Há possibilidade real de recuperação e ressocialização?

Yvonne - Eu conheço todas as instituições de internação e recuperação do Rio de Janeiro. Nenhuma faz o papel que deveria fazer. Tanto os abrigos quanto as instituições são muito ruins. Não há pedagogia específica, não há método. Há muito abuso sexual entre os próprios menores, um sodomiza o outro contra a vontade. Há violência. E é impossível recuperar qualquer adolescente num local com 1.500, 700, 600 internos. É absurdo achar que qualquer profissional desenvolverá um trabalho nessas condições. A verdade é que a criminalidade, o uso de armas de fogo e facas por crianças e adolescentes está aumentando muito, no país todo, e ninguém sabe o que fazer.

BBC Brasil - Neste cenário, o debate em torno da redução da maioridade penal tende a ganhar força. Casos como o da Lagoa tendem a ser usados como argumento pelos dois lados, tanto por quem é contra como a favor da mudança na lei. Como a senhora se posiciona?

A resposta não é reduzir a maioridade penal. Onde vamos colocar esses jovens? Nosso sistema carcerário está esgotado, falido.

Yvonne - Mais uma vez, não estou justificando o crime de adolescentes, que precisa ser punido, mas a questão é como punir, onde punir, como recuperar. Defendo uma punição maior do que a atual para crimes hediondos, por exemplo, até porque todo mundo concorda que um garoto de 16 anos sabe muito bem o que faz.

Mas a resposta não é reduzir a maioridade penal. Temos crianças de dez anos com armas, então se dermos início, vamos ter que abaixar a maioridade cada vez mais. Mas pense, com a redução, onde vamos colocar esses jovens? Nosso sistema carcerário está esgotado, falido. As instituições de menores abarrotadas, ineficientes. São fábricas de bandidos? Óbvio que sim.

BBC Brasil - Mas então o que a senhora sugeriria, com base em seus 20 anos de experiência com menores em situação de vulnerabilidade social, justamente o grupo que tem forte potencial para enveredar pelo mundo da delinquência juvenil?

Yvonne - Punição maior para adolescentes que cometem crimes hediondos. Instituições menores. Mais instituições, com número menor de internos, onde se possa de fato fazer um trabalho real e eficiente. Aí sim podemos começar a ver uma luz no fim do túnel. É preciso haver acompanhamento educacional, psicológico, psiquiátrico, tratar violações, abusos, exposição à violência extrema, revolta e frustração de anos e anos. Precisa acompanhar essas famílias. A escola precisa ser atuante. Custa dinheiro. Precisa querer investir. Quem sabe assim possamos evitar que uma criança apreendida por um roubo venha a assassinar alguém anos depois.

BBC Brasil - O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), disse nesta semana que um adolescente que mata não revela um “problema social”, e sim um “caso de polícia”. Como a senhora vê a declaração?

Yvonne - Um absurdo. Totalmente equivocado. É inadmissível que o prefeito de uma cidade com mais de dois milhões de favelados que vivem diariamente com uma série de problemas sociais diga uma coisa dessas. É caso de polícia? Claro que é. Houve uma morte. Precisa haver investigação e punição. Agora, o que ele fez foi se eximir da culpa de não ter feito o trabalho social que sabe que deveria fazer, que é sua responsabilidade fazer.

BBC Brasil - Na visão da senhora, o que este caso da Lagoa diz sobre nossa realidade? Quais são suas perspectivas para o Brasil e o Rio de Janeiro no que diz respeito à criminalidade entre os jovens e adolescentes?

Yvonne - O que aconteceu é um retrato da absoluta e total falência da nossa sociedade. A falência do Brasil, da ética, de políticas públicas sérias, que funcionem. Esse caso e a história do menino suspeito representam tudo isso. As falhas, a ineficiência, a negligência, a corrupção, a omissão em se fazer o certo.

O que aconteceu é um retrato da absoluta e total falência da nossa sociedade. A falência do Brasil, da ética, de políticas públicas sérias, que funcionem."

Quanto ao futuro, eu não diria que sou pessimista em geral, até porque senão não faria o trabalho que faço há mais de 20 anos. Mas sou pessimista quanto aos rumos que o Brasil está tomando. Precisamos de reformas e de instituições que cumpram seus papéis. No Rio de Janeiro estamos neste momento em que tudo está mascarado e maquiado para as Olimpíadas, e só vai piorar. Vão recolher os mendigos, as crianças de rua, trazer milhares de militares e policiais, e fazer um espetáculo para o mundo ver, em segurança. Mas nós sabemos que assim que a festa acabar, tudo volta a ser como era antes.

Leia tudo sobre: brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas