Ato pede que prédio do DOI-Codi seja memorial das vítimas da ditadura

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestação, que contou com a apresentação de um grupo de atores, foi organizada por entidades de direitos humanos

Agência Brasil

Os nomes de algumas pessoas desaparecidas ou mortas pelo regime militar, logo após o golpe de 1964 que depôs o presidente João Goulart, foram lidos na tarde deste sábado, no pátio da 36ª Delegacia da Polícia Civil de São Paulo, na Rua Tutóia, 921, no bairro do Paraíso. Foi uma tentativa teatralizada de ouvir do outro lado das paredes a resposta de um ente querido e quem sabe salvá-lo da tortura. Mas nenhum ruído foi ouvido. O silêncio foi quebrado, minutos depois, por uma salva de palmas da plateia, na apresentação dos atores da Cia de Artes do Baque Bolado.

Leia: Corte no Orçamento é consequência de erros do governo, diz Fernando Henrique

O grupo artístico foi um dos vários a se apresentar no 2º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais, com o objetivo de reivindicar do governo paulista a substituição da delegacia por um espaço destinado à preservação da memória das vítimas da ditadura militar. O prédio foi sede do antigo Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi). Hoje é um imóvel tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico.

Um dos organizadores do ato, o ex-preso político José Luiz Del Roio defende a transformação do local em um espaço para peças teatrais, músicas e outras formas de manifestação cultural. “A melhor forma de combater o fascismo é a cultura”, resumiu ele. Segundo Roio, não há dados precisos, mas acredita-se que no prédio tenham morrido entre 60 e 80 pessoas.

Confira a galeria de fotos: Conheça as mulheres mais cruéis da história

A manifestação foi organizada por entidades de direitos humanos e movimentos sociais e teve a presença de ex-presos políticos e parentes das vítimas da ditadura militar. Entre eles, Ary Normanha que, ao ser detido por duas vezes em 1969, era um estudante secundarista de 20 anos filiado à Aliança Libertadora Nacional.

Na plateia estavam parentes de alguns dos desaparecidos ou mortos, que seguravam os retratos das vítimas, entre os quais de Henrique Ernesto Ruggia e Pedro Alexandrino de Oliveira Filho. Ao final do encontro, os participantes foram orientados a colocar em caixas de correio das residências vizinhas a cópia da carta aberta ao governador Geraldo Alckmin para que as pessoas no entorno tomem conhecimento da campanha.

Na carta, as entidades argumentam que no item 28 do relatório das conclusões e recomendações da Comissão Nacional da Verdade consta a intenção de “preservar, restaurar e promover o tombamento ou criação de marcas de memória em imóveis urbanos ou rurais onde ocorreram graves violações de direitos humanos”. No documento, as entidades explicam que o que se busca é “honrar nossa democracia e os mártires que morreram lutando por ela.”

Leia tudo sobre: doi-codiditadura militarigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas