Adotar crianças deve ficar mais rápido após simplificação de Cadastro Nacional

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Tempo de espera para adoção vai ficar menor, de acordo com proposta do Conselho Nacional de Justiça

Agência Brasil

Para a ministra Nancy Andrighi, a racionalização do cadastro facilitará juízes e 33,5 mil interessados em adotar uma das  5,7 mil crianças colocadas para adoção
Luiz Silveira/Agência CNJ
Para a ministra Nancy Andrighi, a racionalização do cadastro facilitará juízes e 33,5 mil interessados em adotar uma das 5,7 mil crianças colocadas para adoção

O tempo de espera para adoção vai ficar menor. Esta é a proposta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que lançou esta semana nova versão do Cadastro Nacional de Adoção (CNA). O novo modelo é mais moderno, simples e permite o cruzamento de dados entre os pretendentes e as crianças de todo o Brasil.

A principal mudança é a interligação nacional das comarcas. Antes, o juiz preenchia as informações, mas elas ficavam restritas ao estado de origem. Quando iniciava a procura por uma criança com o perfil solicitado pelos adotantes, o magistrado tinha de consultar diferentes cadastros, o que, segundo a corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, dificulta a tramitação do processo.

Leia tudo sobre: brasiladoção

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas