Justiça nega quebra de sigilo telefônico de advogadas de Sininho, do Black Bloc

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A OAB-RJ argumentou que a decisão da Justiça do Rio contrariava o Estatuto da Advocacia. Sininho está foragida e é acusada por distúrbios provocados pelo Black Bloc no Rio

Agência Brasil

A ativista Sininho é considerada foragida desde dezembro
José Pedro Monteiro / Agência O Dia
A ativista Sininho é considerada foragida desde dezembro

Em atendimento à solicitação da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro (OAB-RJ), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou a autorização para a quebra do sigilo telefônico das advogadas que representam a ativista Elisa Quadros Pinto, conhecida como Sininho, acusada de envolvimento nos os distúrbios que aconteceram na cidade provocados pelo grupo Black Bloc.

Leia também: Sininho dá sua versão sobre a história de paixões e traições entre militantes

Elisa Quadros, a Sininho: 'Tive de sair do Rio para não me matarem'

Embora a informação só tenha sido divulgada no início da noite de sábado (9), a decisão da 6ª Turma do STJ foi tomada na última quinta-feira (7). A decisão autorizando a interceptação dos telefones usados pelas advogadas foi tomada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) ao longo da semana passada.

As advogadas tiveram os telefones grampeados por defenderem a ativista social, como consta do processo. A OAB-RJ argumentou que a decisão da Justiça do Rio contrariava o Estatuto da Advocacia. Para o presidente da seccional, Felipe Santa Cruz, a decisão é de extrema importância para a classe. "Não cabe grampo a advogado como prova contra seu cliente. Trata-se de uma grande vitória para a OAB-RJ", declarou

Sininho concede entrevista exclusiva ao iG e acusa milicianos de a seguirem (28.07.2014). Foto: Bruna Talarico/ iGA ativista Sininho foi presa duas vezes desde o início de sua participação em protestos (12.07.2014). Foto: José Pedro Monteiro / Agência O DiaSininho prestou depoimento após falar que manifestantes tinham ligação com o deputado Marcelo Freixo, na 17ª DP de São Cristóvão (11.02.2014). Foto: Celso Barbosa/Futura PressSininho prestou depoimento após falar que manifestantes tinham ligação com o deputado Marcelo Freixo, na 17ª DP de São Cristóvão (11.02.2014). Foto: Ale Silva/Futura PressApós a primeira prisão, Sininho participou de assembleia de professores estaduais na Zona Norte do Rio (24.10.2013). Foto: Ale Silva/Futura Press



Sininho é considerada foragida da Justiça desde dezembro do ano passado, acusada, juntamente com a ativista Karlayne da Silva, também foragida, pelo crime de formação de quadrilha, por envolvimento nos violentos protestos que aconteceram no ano passado e em 2013, no Rio.

Elas foram presas e depois liberadas com a condição de não mais participarem de protesto. Posteriormente tiveram a prisão preventiva decretada novamente por terem, segundo a Polícia Civil, participado de uma manifestação na Cinelândia, no centro da cidade, no dia 15 de outro de 2014, descumprindo, assim, a medida cautelar que impedia Sininho e Karlyne de movimentos de protesto.

 

Leia tudo sobre: SininhoBlack BlocProcesso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas