"Seca no Nordeste deixa 56 cidades em colapso", diz ministro

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Ministra do Meio Ambiente disse que, após o término do período de chuvas, em abril, será discutida a campanha de conscientização do governo sobre a situação hídrica do país.

Agência Brasil

O grupo de monitoramento da situação hídrica do governo federal avalia que, mesmo com o cenário de chuvas favorável em março na Região Sudeste, os níveis dos reservatórios não voltaram à normalidade e é preciso manter as ações de controle e economia de água. No Nordeste, segundo o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, 56 cidades estão em situação de “colapso” de abastecimento de água e esse número pode passar de 100.

Os integrantes do grupo se reuniram hoje (1º), no Palácio do Planalto. Em entrevista coletiva após o encontro, Gilberto Occhi disse que o governo federal pediu aos estados da região um levantamento sobre o assunto e o número de cidades nessa situação pode subir para 105. Também participaram da reunião os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, entre outros.

Os ministros discutiram a possibilidade de adiantar obras e ampliar ações emergenciais de abastecimento de água em áreas urbanas do Nordeste, com o uso de carros-pipas. “Recebemos pedidos de governadores sobre a possibilidade de ampliação da Operação Carro-Pipa para municípios da região urbana e devemos apoiar, colocando reservatórios urbanos, caixas de água, cisternas”, informou Gilberto Occhi.

Na avaliação do presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, no Sudeste, a situação dos reservatórios permanece crítica, apesar da ligeira recuperação. “Mesmo tendo esses sinais de quantidade de água mais favorável chegando aos reservatórios, os quadros todos continuam críticos, sendo que as medidas adotadas até aqui na redução das vazões dos reservatórios e dos rios devem ser mantidas, acompanhadas [de ações] para oferecer maior segurança hídrica às populações envolvidas”, disse.

Em relação ao Sistema Cantareira, que abastece São Paulo, Vicente Andreu destacou que houve recuperação com as chuvas de fevereiro e março, mas o sistema ainda usa água abaixo do volume útil. Segundo o diretor do Centro de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Carlos Nobre, as chuvas no Sudeste estão diminuindo e as precipitações estacionais devem recomeçar em outubro.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que, após o término do período de chuvas, em abril, será discutida a campanha de conscientização do governo sobre a situação hídrica do país. “Vamos com toda serenidade construir a informação objetiva, transparente. O Brasil não precisa ter desperdício de água, precisa poupar água”, ressaltou.

Leia tudo sobre: secanordestecolapso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas