Pesquisa com 111 rios brasileiros mostra que 23% têm água ruim ou péssima

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

SOS Mata Atlântica atribui a poluição à falta de saneamento e tratamento de água, ao desmatamento e à perda da mata ciliar

Agência Brasil

A análise do grau de poluição de 111 rios brasileiros, divulgada nesta quarta-feira (18) pela organização não governamental (ONG) SOS Mata Atlântica, revela que 23,3% das águas são ruins ou péssimas. De acordo com a legislação brasileira, o recurso nessa situação não podem sequer receber tratamento para consumo humano ou ser usadas para irrigação de lavouras.

Os pesquisadores coletaram água em 301 pontos de rios e mananciais do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, entre março de 2014 e fevereiro de 2015.

Veja também:

Jovem cria projeto para plantar orquídeas nas margens dos rios Pinheiros e Tietê

De acordo com a pesquisa, em 21,6% dos pontos de coleta, a água foi considerada ruim, e em 1,7%, péssima. Em 186 pontos (61,8%), os pesquisadores encontraram água considerada regular e 45 pontos (15%) mostraram boa qualidade. Nenhum dos rios analisados tem água totalmente limpa, segundo o levantamento. A classificação tem como base parâmetros do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Águas nessa situação não podem sequer receber tratamento para consumo humano ou serem usadas para irrigação de lavouras
Miguel Schincarol/Fotos Públicas
Águas nessa situação não podem sequer receber tratamento para consumo humano ou serem usadas para irrigação de lavouras


Em São Paulo, o número de pontos de coleta com qualidade ruim ou péssima caiu de 74,9% para 44,3% na comparação com o levantamento anterior, feito entre março de 2013 e fevereiro de 2014. No mesmo período, o percentual de amostras com qualidade regular ou boa subiu de 25% para 55,4%.

A coordenadora da Rede das Águas da SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, explica que a seca no estado diminuiu o escoamento para os rios, o que protegeu os cursos d'água da poluição. “Com a seca,  os pontos monitorados deixaram de receber resíduos sólidos ou lixo, sedimentos com solos contaminados, fuligem de veículos e materiais particulados”, disse.

Leia mais:

"Abandonada" e perigosa, água da chuva ganha uso por moradores em São Paulo

No Rio de Janeiro, no entanto, a qualidade da água piorou em 2014/2015. O percentual de pontos com água de qualidade ruim subiu de 40% para 66,7% na comparação com o levantamento anterior.

A SOS Mata Atlântica atribui a poluição dos rios à falta de investimento em saneamento e tratamento de água, ao desmatamento e à perda da mata ciliar – vegetação nas margens de rios – desses cursos d'água. Para Malu, a qualidade das águas está diretamente ligada à crise hídrica que atinge diversas regiões do país. “O problema não é falta de chuva, é que as águas que existem estão poluídas”, destacou.

Leia tudo sobre: rioságuapoluição

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas