Protestos fecham ruas em São Paulo, Minas Gerais e no Rio nesta quarta-feira (18). Há atos marcados para outros 10 Estados

Agência Brasil

As manifestações que o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e os movimentos da Frente de Resistência Urbana estão promovendo hoje em 30 pontos estratégicos de 13 estados não são contra o governo federal, em defesa do impeachment da presidenta da República ou mesmo da volta dos militares ao poder.

Segundo o coordenador estadual do MTST, Vitor Guimarães, o objetivo é tão somente defender a imediata implementação do Programa Minha Casa, Minha Vida 3, de melhores condições de moradia para as populações das periferias do país e contra o ajuste fiscal que vem sendo implementado pelo governo.

Manifestantes do MTST fazem protestos em São Paulo, Rio e Minas Gerais
MTST tenta dar "resposta ao avanço da direita"

No início da manhã, um grupo de cerca de 100 pessoas fechou o acesso à Ponte Rio-Niterói, ateando fogo a pneus na Avenida do Contorno, em Niterói, na região metropolitana do Rio, no fim da BR-101.

“O movimento, que é feito em 13 Estados, tem como objetivo pressionar o governo a implementar imediatamente o Programa Minha Casa, Minha Vida 3. Nós o estamos chamando de "A periferia ocupa a cidade, reforma urbana de verdade". A ideia é pressionar pela liberação imediata dos recursos do Minha casa Minha Vida 3, que é a terceira etapa do programa e que ainda não saiu do papel”.

Segundo Guimarães, o movimento é uma forma de pressionar o governo a acelerar os trâmites para a implementação da terceira fase do Minha Casa, Minha Vida e protestar contra as reformas, em particular contra o ajuste fiscal.

“Mas é bom que fique claro que o movimento não é contra o governo, ou a favor do impeachment da presidenta, ou ainda a favor da volta dos militares ao poder. Somos contra a intervenção militar, mas a favor da intervenção popular. A gente acha que qualquer impeachment, ou ditatura ou golpe militar só vai sufocar ainda mais os trabalhadores e quem defende isso é também contra os nossos interesses”, disse.

Com relação à posição do MSTS contrária ao ajuste fiscal, Guimarães acredita que ele só atende aos interesses dos banqueiros. As mobilizações desta quarta vão marcar posição contra a defesa de intervenção militar, o preconceito elitista e a intolerância. Defendemos ainda uma política de reformas populares”, ressaltou o dirigente.

Guimarães lembrou ainda que em outubro do ano passado os integrantes do MTST promoveram uma ocupação chamada de Zumbi dos Palmares. "Estamos esperando até hoje que a prefeitura apresente um estudo técnico do programa para que consigamos avançar na construção das moradias que foram acordadas no fim do ano passado como consequência da ocupação”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.