"Anúncio não constrói casa. É preciso liberar dinheiro", afirma MTST

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestação nesta quarta-feira (18) pede o início da terceira fase do Minha Casa Minha Vida e tenta enfraquecer pauta direitista incorporada após êxito de atos do dia 15 de março

Nesta quarta-feira, protestos do MTST bloquearam 21 pontos de avenidas e estradas em sete Estados do País. Bloqueios devem acontecer durante a tarde em São Paulo, Piauí e Espírito Santo.

Manifestantes do MTST fazem protestos pelo Brasil

Pacote anticorrupção criminaliza "caixa 2" e estende Ficha Limpa a comissionados

Coletiva dos líderes do MTST na tarde desta quarta-feira (18)
Cristiane Capuchinho/iG
Coletiva dos líderes do MTST na tarde desta quarta-feira (18)


Os protestos marcados para o que foi chamado de "Dia Nacional de Luta pela Reforma Urbana" pediram o lançamento do Minha Casa Minha Vida 3 e marcaram oposição ao avanço do discurso de direita, simbolizado pela manifestação de domingo(15), segundo os líderes do MTST em coletiva nesta quarta-feira.

 "O ajuste fiscal está sendo feito de maneira desastrada e já ceifou verbas para a moradia", afirmou Guilherme Boulos, se referindo ao corte do programa Minha Casa Melhor e ao atraso da terceira fase do Minha Casa Minha Vida.

Para ele, os protestos desta quarta-feira foram um recado de que há insatisfação da população sobre os cortes de direitos sociais e dos trabalhadores.

Leia mais:
Protesto anti-Dilma leva centenas de milhares à Avenida Paulista
Movimento pelo impeachment convoca novo ato para o dia 12 de abril

"Nossa expectativa é que o governo federal acorde e tome medidas populares. Se atente às reformas essenciais, como a reforma urbana, a política, a tributária, com a taxação de grandes fortunas", disse Boulos

Segundo ele, as marchas não apoiam o governo de Dilma ou os movimentos que pedem seu impeachment. "Ser contra o golpismo, o discurso de ódio, a intolerância não é apoiar o governo"

Boulos afirmou também que o MTST "não vai assistir calado à defesa da intolerância” e disse que as manifestações podem voltar a acontecer.

O MTST estima que 20 mil pessoas tenham participado dos protestos em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Ceará, Paraíba e Bahia.

Manifestantes do MTST bloqueiam pista local da marginal Tietê, em São Paulo, na manhã desta quarta (18) em Dia Nacional de Luta. Foto: Reprodução/Facebook MTSTEstrada de Itapecerica foi bloqueada nos dois sentidos por protesto do MTST na manhã desta quarta (18). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloProtesto do MTST na manhã desta quarta-feira (18) na Avenida Guarapiranga, sentido centro, zona sul de São Paulo . Foto: Luiz Claudio Barbosa/Futura PressNa zona sul de São Paulo, cerca de 1.500 manifestantes partiram da avenida Guarapiranga e seguem para a marginal Pinheiros. Foto: Reprodução/Facebook MTSTProtesto do MTST na manhã desta quarta-feira (18) na marginal Pinheiros, zona sul de São Paulo . Foto: Reprodução/Facebook MTST"Pisa ligeiro, pisa ligeiro. Quem não pode com a formiga, não atiça o formigueiro", cantam manifestantes na avenida João Dias, zona sul de SP. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloEm Fortaleza (CE), manifestantes bloquearam a BR-116 em caminhada até o Palácio da Abolição. Foto: Reprodução/Facebook MTSTProtesto do MTST bloqueia, em Minas Gerais,a MG-010, que dá acesso ao aeroporto de Confins. Foto: Reprodução/Facebook MTSTEm São Paulo, manifestantes do MTST fecham a rodovia Raposo Tavares nos dois sentidos no km 21. Foto: Reprodução/TV GloboÀs 8h50 desta quarta-feira (18), manifestantes do MTST se reuniam em frente ao terminal João Dias (na zona sul) para protesto por moradia. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloMTST bloqueia acesso à ponte Rio-Niterói na manhã desta quarta-feira. Foto: Reprodução/@vitorledertheilEm Minas Gerais, protesto do MTST fecha a BR-040, em Contagem, perto da Ceasa. Foto: O TEMPO


Leia tudo sobre: mtstprotestosminha casa minha vidaiGSP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas