Idoso é agredido por universitário durante festa em república de Santo André

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Homem teria reclamado a jovem que urinava em sua casa. Após bate-boca, estudante teria atingido idoso com socos na cabeça

Um homem de 81 anos foi agredido por um universitário após um bate-boca na noite dessa sexta-feira (27). O estudante participava de uma festa em uma república de Santo André. 

Ítalo Paschoalini, 81, foi agredido por universitário em frente a sua casa
Reprodução/Facebook
Ítalo Paschoalini, 81, foi agredido por universitário em frente a sua casa

Ao perceber que alguém urinava em frente a sua casa, Ítalo Paschoalini saiu para reclamar com o estudante e começaram uma discussão. 

"Meu avô ficou bravo e pegou uma mangueira para molhar o menino e fazê-lo sair de lá. Daí o menino deu uma chave de pescoço no meu avô e começou a esmurrar meu avô", afirma Débora Vaccari, neta de Ítalo. 

O idoso teve um corte na cabeça e ferimentos no braço e passou a noite em um hospital municipal de Santo André, segundo ela.

Eduardo, de 19 anos, é estudante da UFABC (Universidade Federal do ABC) e participava de uma festa em uma república na mesma rua, no Parque das Nações.

De acordo com Débora, as festas frequentes nessa república chegam a reunir cerca de 400 pessoas e incomodam os vizinhos da rua residencial.

Em depoimento à polícia, o universitário confessou ter empurrado o aposentado, mas disse que em seguida teria se arrependido e o ajudado a se levantar. 

Rafael Batista, um dos moradores da república Vó Gina, diz que o estudante não era conhecido e que, como a agressão aconteceu fora da república, os organizadores da festa só souberam da briga depois do ocorrido.

"Foi uma surpresa para gente a agressão. Nunca ocorreu um fato dessa proporção nas festas das repúblicas por ali", afirma Guilherme de Lucas, membro da associação de repúblicas. "Estamos apurando o que aconteceu, vamos ver o que houve de errado e discutir na universidade o que podemos fazer para evitar que isso volte a acontecer."

O caso foi registrado na 2ª Delegacia Policial de Santo André como lesão corporal e perturbação da tranquilidade. 

Indignada com a situação, Débora Vaccari diz que a família pretende processar o universitário pela agressão. "É surreal que um jovem espanque um idoso de 81 anos. Temos medo porque isso pode voltar a acontecer e os irmãos do meu avô [que moram na mesma rua] poderiam ser os próximos a sofrer agressão."

Até a publicação desse texto, o estudante acusado de agressão não foi encontrado para comentar o caso. 

Veja casos de violência em universidades e repúblicas do País

Cartaz em apoio a aluna vítima de tentativa de estupro na Poli-USP (9.10.2013). Foto: ReproduçãoDepois de se sujaram com ovos, tinta, farinha e café, os calouros tiveram de rodar até ficar tontos na UnB (14.07.10). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoEstudantes lambem linguiça com leite condensado durante trote do curso de agronomia da Universidade de Brasília (31,01.2011). Foto: Agência UnBImagem onde caloura pintada de preto aparece acorrentada junto a uma placa "caloura Chica da Silva". Foto: ReproduçãoTodos os calouros tiveram de entrar juntos na piscina de lama, vegetais, legumes e lixo (14.07.2010). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoCalouros tiveram de andar em fila indiana, com as mãos entrelaçadas entre as pernas uns dos outros, o chamado elefantinho (14.07.2010). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoOs estudantes de agronomia tiveram de procurar sabonetes em uma piscina de lama. Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoCalouros escorregam em poça d'água no meio do corredor do principal prédio da universidade. Foto: DivulgaçãoTrote Unb. Foto: DivulgaçãoImagens de trote no ano passado foram anexadas à denúncia à universidade. Foto: ReproduçãoCaloura é pintada por veteranos em trote da Poli na USP. Foto: Amana Salles/Foto ArenaAmarrados, calouros são conduzidos para uma festa no gramado da faculdade. Pais acompanham e fotografam tudo. Foto: Amana Salles/Foto ArenaHomero Santiago Maciel, 19 anos, recebe banho na lama, durante o trote da Faculdade Politécnica da USP. Foto: Amana Salles/Foto ArenaBeatriz Castro, de 18 anos, recebeu trote com tinta, farinha e leite condensado: "Ainda não caiu minha ficha de que passei na Poli". Foto: Amana Salles/Foto ArenaBrincadeira com fezes e urina teria sido realizada perto do campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Foto: ReproduçãoFrente Feminista denuncia atos obscenos durante trote na USP São Carlos. Foto: Frente Feminista USP



Leia tudo sobre: violênciaigspsão paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas