Mulher de Suzane Richthofen ganha direito de cumprir pena no semiaberto

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Assim como a assassina confessa dos pais, a sequestradora Sandra Gomes também terá direito de permanecer no Presídio de Tremembé, onde sua única opção é o regime fechado

Suzane Von Richthofen nem bem começou a vida de casada e já pode voltar a ficar solteira na prisão. É que Sandra Regina Ruiz Gomes, mulher da assassina confessa dos pais, ganhou da Justiça o direito de cumprir sua pena de quase 30 anos de cadeia no regime semiaberto, aquele que dá ao encarcerado a oportunidade de trabalhar durante o dia para retornar ao presídio apenas para dormir.

Richtofen ao lado de Sandra Gomes durante entrevista que será exibida na Record nesta quinta
Reprodução
Richtofen ao lado de Sandra Gomes durante entrevista que será exibida na Record nesta quinta

A informação sobre a decisão da 1ª Vara de Execuções Penais de Taubaté, no interior de São Paulo, está disponível no site do Tribunal de Justiça do Estado. Ela é do dia 12 de fevereiro, quando foram recebidos pela Justiça os Autos de Conclusão e expedido o guia de transferência da detenta para outra penitenciária.

Leia também:
Suzane Von Richthofen se casa com sequestradora na prisão
Richthofen diz ter saudade dos pais e afirma que premeditou crime por "liberdade"

Assim como Richthofen, Sandra tem o direito de decidir se acatará a decisão do semiaberto. Suzane teve a mesma opção no final do ano passado, mas optou por não aceitá-la pelo fato de a Penitenciária Feminina de Tremembé não possuir ala para o cumprimento do regime. Ela justificou a decisão por temer por sua segurança em outra cadeia. Por ora, Sandra continua presa no local.

Gomes foi condenada pelo sequestro de uma empresária e chegou a receber direito ao semiaberto em 2010, mas o perdeu após ter agredido um agente penitenciário.

Procurada para comentar o assunto, a Secretaria de Administração Penitenciária paulista não respondeu aos questionamentos do iG até o fechamento desta reportagem.

Relembre como foi o bárbaro crime que acabou com a vida de Manfred e Marísia:

Dentro do carro modelo Gol, na garagem da casa, Daniel e Cristian vestem luvas cirúrgicas e meia de nylon na cabeça; intenção é não deixar nenhum vestígio. Foto: Arte/iGApós conferir que os pais estão dormindo, Suzane acende a luz do corredor que leva ao quarto, diz “vai” aos irmãos e desce as escadas correndo. Foto: Arte/iGDaniel e Cristian entram no quarto e as agressões começam. Daniel bate na cabeça de Manfred, enquanto Cristian golpeia Marísia. Foto: Arte/iGCom traumatismo craniano, o casal começa a morrer por asfixia. Daniel vai até a cozinha e volta com uma jarra de água. Após jogar a água no rosto de Manfred, ele morre. Foto: Arte/iGApós verificar que a mulher agoniza, Cristian desce e pede sacos de lixo a Suzane. Ele volta, coloca uma toalha na boca de Marísia e a sua cabeça dentro de um saco preto. Foto: Arte/iGCom a certeza de que os dois estão mortos, reviram gavetas, espalham joias, e Cristian deixa um revólver 38 de Manfred perto de sua mão. Foto: Arte/iGAntes de deixarem a casa, os irmãos entram pela janela da biblioteca para parecer que os criminosos entraram por ali. Foto: Arte/iG


Leia tudo sobre: sandra gomessuzane von richtofen

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas