Redução é uma das reivindicações dos caminhoneiros que bloqueiam rodovias de pelo menos nove Estados do País

Agência Brasil

Caminhões parados na BR 040, em Belo Horizonte, nesta terça (24), sexto dia de greve
Flávio Tavares/Hoje em Dia/Futura Press
Caminhões parados na BR 040, em Belo Horizonte, nesta terça (24), sexto dia de greve

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta (25) que o governo não tem como baixar o preço do diesel. A redução é uma das reivindicações dos caminhoneiros que bloqueiam rodovias de pelo menos nove Estados do País.

“O governo não tem como baixar o preço do diesel”, disse a presidente após participar de cerimônia de entrega de casas do programa Minha Casa, Minha Vida em Feira de Santana (BA).

Dilma defendeu a política de preços do governo para os combustíveis, que não é diretamente vinculado à cotação internacional do petróleo, e disse que a estratégia será mantida.

Leia também:

+ Protesto ganha força e caminhoneiros bloqueiam rodovias em 11 Estados do País
+Caminhoneiros vão à Câmara pedir frete mínimo e mantêm bloqueios nas estradas

“Passamos 2013 e 2104 sob um conjunto de críticas dizendo que governo e a Petrobras tinham que elevar preço [dos combustíveis]. Não elevamos, passamos todo o período de US$ 100 a US$ 120 o barril sem mexer significativamente nos preços. E agora também não mexemos, o que fizemos foi recompor a Cide [Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico] e não elevamos uma vírgula o preço nem abaixamos. A política sempre é melhor quando ela é estável, o que não é possível é submeter o país à política dos preços do petróleo”, argumentou.

O governo tenta negociar o fim da greve dos caminhoneiros. No começo da tarde, uma nova rodada de negociação entre ministros e representantes dos caminhoneiros e de transportadoras vai ocorrer no Ministério do Trabalho.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.