Mais de 580 famílias estão desalojadas ou desabrigadas, atingindo cerca de 1,8 mil pessoas na "pior cheia da cidade"

Agência Brasil

município de Brasileia, no Acre, decretou nesta segunda-feira (23) calamidade pública por causa das chuvas que atingiram o Estado no fim de semana e fizeram o rio Acre transbordar em diversos localidades. Segundo o governo do Acre, mais de 580 famílias estão desalojadas ou desabrigadas, atingindo cerca de 1,8 mil pessoas.

Leia também:  Chuvas no Acre afetam 800 famílias em Brasileia e 200 pessoas estão desabrigadas

O nível do Rio Acre, em Rio Branco, subiu de 12,61m para 13,84m nas últimas 24 horas
Secom Acre
O nível do Rio Acre, em Rio Branco, subiu de 12,61m para 13,84m nas últimas 24 horas

“Nós estamos em uma situação bem crítica. O nível dos rios está se elevando e já temos diversas famílias desabrigadas. Não temos previsões otimistas. Desde sexta-feira passada, os rios têm aumentado a cada dia”, disse o capitão do Corpo de Bombeiros, Cláudio Falcão Sousa. De acordo com ele, esta é a pior cheia registrada na cidade.

“Na última medição, em Brasiléia, o rio atingiu a marca de 14,78 metros, superando a marca de 2012. Praticamente a cidade inteira foi atingida e ainda há previsão de chuvas para os próximos dias”, informou Falcão. Cerca de 400 homens do Exército, Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil trabalham no apoio às famílias desabrigadas.

Segundo o governo, há possibilidade de interrupção de energia elétrica para a região e, por isso, existe um planejamento para transferir os pacientes do hospital da cidade para a Unidade de Pronto-Atendimento de Rio Branco.

A situação também é crítica em outras regiões do Acre. Na capital, Rio Branco, nove bairros foram atingidos, 31 famílias estão desabrigadas e mais 60 devem ser levadas para abrigos públicos nas próximas horas. Na cidade, o rio atingiu a marca de 14,66 metros.

Em Assis Brasil, cidade acriana na fronteira com o Peru, a cheia do Rio Acre atingiu pelo menos 140 casas, mas a situação já foi controlada, segundo os bombeiros. Em Xapuri, a 175 quilômetros da capital, o rio ultrapassou a cota de transbordamento e atingiu 15 metros. Pelo menos 60 famílias tiveram que deixar suas casas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.