Nível do Cantareira volta a subir e atinge 10,2%

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Volume nos seis reservatórios chega a 266,5 mm, quase quatro vezes mais que o registrado no mesmo período do ano passado

Agência Brasil

O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de abastecimento da região metropolitana de São Paulo, voltou a subir neste sábado (21), passando de 10% para 10,2%, mais do que o dobrio do começo deste mês (5%).

Hoje: Ministério Público abre investigação sobre cobrança por ar nos canos da Sabesp

Vista da Represa Jaguari-Jacareí, em Bragança Paulista (SP), parte do Sistema Cantareira (6/02)
Futura Press
Vista da Represa Jaguari-Jacareí, em Bragança Paulista (SP), parte do Sistema Cantareira (6/02)

Em abril: Governo de SP estuda barrar captação de água por indústria e agricultor

A uma semana do fim do mês, o volume de chuva acumulada nos seis reservatórios do Cantareira já atinge 266,5 milímetros (mm), o que é quase quatro vezes mais do que o registrado em todo o mês de fevereiro do ano passado, quando choveu apenas 73 mm. A média anual para este mês é de 199,1 mm.

Mesmo assim, ainda falta muito para repor a água perdida durante a estiagem prolongada do ano passado. De acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), no mesmo dia (21), há um ano, o sistema operava com 17,7% de sua capacidade.

Veja:

Além disso, até aquela data, ainda não se tinha recorrido ao volume morto ou reserva técnica, água que fica abaixo, mais ao fundo das represas, cuja captação necessita de bombeamento.

Também voltou a aumentar o nível do Sistema Alto Tietê (de 17,8% para 18%). A pluviometria acumulada atinge 280,3 mm, bem acima da média, que é de 192 mm. Mais dois mananciais, igualmente, superaram a média do período: o Guarapiranga e o Rio Claro.

Na barragem do Guarapiranga, de onde é retirada a água para distribuição principalmente, na zona sul da capital paulista, já choveu neste mês 193,2 mm. A média para todo o mês de fevereiro é de 192,5 mm. Nesse sistema ,o nível está em 57,5%, 0,4 ponto percentual acima do de ontem (20).

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis


No Sistema Rio Claro, usado para distribuir água para parte da população da zona leste e ainda para parte dos municípios do ABC paulista (Ribeirão Pires, Mauá e Santo André), o acumulado de chuva atingiu 238,8 mm ante a média do mês todo de 237 mm. O armazenamento alcançou hoje (21) 35,2% de sua capacidade ou 0,2 ponto percentual acima do registrado ontem (20).

Nos demais sistemas, não houve alteração e o volume de chuva ainda está abaixo da média esperada para o mês. No Alto Cotia, o nível manteve-se em 36,6% e a pluviometria em 137 mm ante a média de 178,9 mm. Já no Rio Grande, o nível permaneceu em 83,9% e o volume de chuva, desde o começo do mês, está em 179 mm, ante a média de 206,1 mm.

Leia tudo sobre: crise hídricasao pauloigspcantareiracrise da água

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas