Entre as demandas dos índios está a renovação do Plano Básico Ambiental relacionado à pavimentação da BR-163, no Pará

Agência Brasil

Um grupo de cerca de 50 índios da etnia Kayapó, armados com arcos e flechas, bloquearam a entrada do Palácio do Planalto na tarde desta seguda-feira (2). Eles querem conversar com ministros e com a presidenta Dilma Rousseff.

Os Kayapó vivem em aldeias dispersas ao longo do curso do rio Xingu e afluentes, no Pará
Ibama
Os Kayapó vivem em aldeias dispersas ao longo do curso do rio Xingu e afluentes, no Pará

Entre as demandas dos índios está a renovação do Plano Básico Ambiental (PBA) relacionado à pavimentação da BR-163 - na região de Novo Progresso, no sul do Pará -, e os problemas causados pelo impacto ambiental do empreendimento. O PBA é parte do processo de licenciamento ambiental, e tem a função de minimizar e compensar os impactos sobre a terra indígena.

Leia mais: 
Governo não demarca terras indígenas em Estado recordista em violência
Ao menos 53 índios foram assassinados no Brasil no ano passado, aponta relatório
Suicídio de índios no Brasil chega a ser seis vezes maior do que taxa nacional

“Temos desmatamentos, a soja está se aproximando, tudo que você imaginar de desmatamento está encostando nas terras indígenas. Fomos a favor da pavimentação da Rodovia BR-163 e estávamos recebendo o PBA durante cinco anos. Aí, depois desse tempo acabou, e não passam mais o recurso. Tem vários assuntos que queremos tratar com os ministros, e queremos ser ouvidos”, relata o representante dos kayapós, Doto Takak Ire.

Representantes da Secretaria-geral da Presidência da República negociaram com os índios para que eles deixassem as armas e entrassem no Palácio do Planalto para se reunir com o secretário nacional de Articulação Social, Paulo Maldos. A intenção é tentar viabilizar encontros dos índios com integrantes do governo federal. Os kayapós querem conversar com os ministros da Justiça, do Meio Ambiente, dos Transportes e da Casa Civil, e também com a presidenta Dilma.

ssssss

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.